O Jogo ao Vivo

Multinacionais

"Sundae Bloody Sundae". McDonald's Portugal retira anúncio com referência a massacre irlandês

"Sundae Bloody Sundae". McDonald's Portugal retira anúncio com referência a massacre irlandês

A McDonald's Portugal lançou um anúncio publicitário de Halloween que não caiu bem nas redes sociais. Vários internautas associaram o slogan "Sundae Bloody Sundae" ao Domingo Sangrento, um massacre na Irlanda do Norte que fez 14 mortos.

A intenção da filial portuguesa da multinacional McDonald's parecia a melhor para os clientes: na compra de um sundae (gelado com topping de morango) seria oferecido outro. O slogan "Sundae Bloody Sundae" da campanha de Halloween seria uma referência à música de 1983 da banda irlandesa U2, "Sunday Bloody Sunday". O que escapou à McDonald's Portugal é que por detrás da conjugação de palavras e da música dos U2 existia muito mais significado.

"Sundae Bloody Sundae" foi associado nas redes sociais ao Domingo Sangrento. A data remonta a 1972, quando soldados ingleses dispararam à queima-roupa sobre uma manifestação de católicos, que marchavam pelos direitos civis, em Londonderry, na Irlanda do Norte. O tiroteio fez 14 mortos.

O anúncio já foi retirado das lojas portuguesas. A empresa esclareceu que a campanha de marketing se dirigiu apenas ao mercado português e recusa que a ação seja "uma referência insensível" à história da Irlanda. "Lamentamos sinceramente por qualquer ofensa ou angústia que isso possa ter causado", explicou a filial portuguesa.

Não é a primeira vez que as campanhas de algumas marcas multinacionais são tramadas pela História e pela atualidade social e política. Em 2017, um anúncio da Pepsi foi cancelado após a marca de refrigerantes ter escolhido a modelo Kendall Jenner para interpretar uma manifestante afro-americana num protesto contra o racismo.

PUB

A referência da Pepsi dizia respeito a Leisha Evans, uma cidadã afro-americana que apareceu desarmada em frente a vários agentes da autoridade, enquanto participava num protesto contra a violência policial contra cidadãos afro-americanos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG