Economia

Taxa da dívida a dez anos passou os 8%

Taxa da dívida a dez anos passou os 8%

Os juros exigidos pelos investidores no mercado secundário para deter dívida soberana portuguesa continuam a bater máximos históricos, com a taxa a dez anos a ultrapassar os 8%, após novo corte do rating da Standard & Poor's.

A 'yield' (remuneração total) exigida pelos investidores para deter títulos de dívida soberana portuguesa superava os 8% em oito prazos, negociando ainda muito perto deste barreira, nos 7,99%, no prazo a dez anos.

A taxa associada à dívida com maturidade a dez anos atingiu os 8,001 por cento às 16:30, de acordo com a Bloomberg, a maior taxa alguma vez registada pela agência noticiosa desde 1997, altura em que começou a compilar estes dados.

Assim, perto das 17 horas de hoje, a taxa exigida pelos investidores para deter títulos a três (8,558%), quatro (8,504%), cinco (8,937%), seis (8,470%), sete (8,361%, oito (8,147%), nove (8,143%) e quinze anos (8,123%) negociavam acima da barreira dos oito por cento.

Além da taxa a dez anos, que já ultrapassou esta terça-feira os 8%(e negociava a esta hora nos 7,994 por cento%) nos outros prazos se registava um agravamento, com destaque para a dívida de mais curto prazo.

Nos títulos com maturidade a um ano, a taxa negociava nos 6,7% e a dois anos nos 7,733%.

Ainda hoje a Standard & Poor's anunciou o segundo corte no 'rating' de Portugal pela segunda vez em menos de uma semana, deixando a nota de Portugal em BBB-, a apenas um nível de ser considerada 'junk' (lixo), ou seja, sair da chamada escala de investimento.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG