O Jogo ao Vivo

Proposta

Taxa sobre lucros excessivos vai financiar medidas para população mais vulnerável

Taxa sobre lucros excessivos vai financiar medidas para população mais vulnerável

As receitas da taxa extraordinária sobre a distribuição alimentar irão suportar medidas para apoiar a população mais vulnerável, nomeadamente através do setor social, enquanto as da energia serão aplicadas também a medidas para a redução do consumo.

A aplicação das receitas está prevista na proposta de lei do Governo, que deu entrada na Assembleia da República na sexta-feira à noite, depois de aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros, e que estipula a criação de duas taxas: a CST Distribuição Alimentar e a CST Energia.

No caso da distribuição alimentar, o Governo prevê que "eventuais lucros excedentários sejam canalizados para apoiar a população mais vulnerável, nomeadamente por via do reforço de ações de apoio ao aumento de encargos com bens alimentares, designadamente através do setor social".

PUB

O objetivo, aponta, é "garantir a execução da política de defesa do consumidor com o objetivo de assegurar um elevado nível de proteção ao mesmo, bem como para apoiar as empresas do comércio mais afetadas pelo aumento dos custos e da inflação a tornarem-se mais resilientes".

O diploma estipula, assim, que a canalização da receita obtida com a CST Distribuição Alimentar ficará à responsabilidade dos ministros das Finanças e da Economia, mas será dirigida a "ações de apoio ao aumento de encargos com bens alimentares a favor da população mais vulnerável, designadamente através de entidades do setor social".

Irá ainda suportar "medidas para garantir a execução da política de defesa do consumidor com o objetivo de assegurar um elevado nível de proteção ao mesmo, por via do Fundo do Consumidor, bem como "medidas de apoio financeiro a micro e pequenas empresas de comércio, serviços e restauração que sejam particularmente afetadas pelo aumento dos custos de funcionamento e da inflação e pela diminuição da procura, através da afetação parcial da receita ao Fundo de Modernização do Comércio para este efeito".

Prevê-se ainda que irão financiar "medidas de apoio à qualificação dos profissionais afetos a micro e pequenas empresas de comércio, serviços e restauração, para aumentar a resiliência destas empresas, através da afetação parcial da receita ao Fundo de Modernização do Comércio para este efeito".

Já a receita obtida com a CST Energia irá ser afeta pelos ministros das Finanças e da Energia a, pelo menos, uma das prioridades definidas.

Contempla, assim, o financiamento de medidas de apoio financeiro aos clientes finais de energia, em especial as famílias vulneráveis, ou de medidas de apoio financeiro para ajudar a reduzir o consumo de energia, "por exemplo através de leilões ou de regimes de concurso para a redução da procura".

Tal poderá ser feito, aponta, "reduzindo os custos de aquisição de energia dos clientes finais de energia para determinados volumes de consumo, promovendo investimentos por parte dos clientes finais de energia em energias renováveis, investimentos estruturais em eficiência energética ou outras tecnologias de descarbonização".

Poderá ainda financiar "medidas de apoio financeiro para apoiar as empresas de setores com utilização intensiva de energia, desde que estejam subordinadas a investimentos em energias renováveis, eficiência energética ou outras tecnologias de descarbonização", assim como "medidas de apoio financeiro para desenvolver a autonomia energética, em especial investimentos em consonância com as metas do plano REPowerEU, estabelecido no Plano REPowerEU e na Ação Europeia Conjunta REPowerEU".

A taxa extraordinária e temporária de 33% sobre os setores da energia e da distribuição alimentar irá aplicar-se durante este ano e 2023, às empresas com uma subida de lucros de 20% face à média dos últimos quatro anos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG