Economia

Tribunal de Contas "chumba" contrato do TGV Poceirão-Caia

Tribunal de Contas "chumba" contrato do TGV Poceirão-Caia

O Tribunal de Contas não atribuiu visto prévio ao contrato da ligação de alta velocidade ferroviária Poceirão-Caia, adjudicado ao consórcio Elos, liderado pela Brisa e pela Soares da Costa.

De acordo com o acórdão do Tribunal de Contas que dá conta da decisão, foram detetadas violações ao caderno de encargos do concurso.

Na sequência desta decisão, deverá ter de ser lançado um novo concurso, feito um novo contrato e não deverá haver lugar a indemnização. No entanto, todas as obras que já foram feitas podem ser pagas.

Segundo o acórdão do TC, a construção, o financiamento e a manutenção do futuro troço de alta velocidade foram adjudicadas a "uma proposta que deveria, em rigor, ter sido excluída, uma vez que continha elementos não aceites e não negociáveis e, simultaneamente, tinha uma classificação inferior à da primeira fase".

"A proposta final da adjudicatária continha, consciente e voluntariamente, aspetos que, não só não haviam sido aceites pelo júri na negociação, como constituíam efetivas alterações a cláusulas imperativas do caderno de encargos", lê-se no documento.

Os juízes conselheiros do TC, Helena Abreu Lopes, Manuel Mota Botelho, João Figueiredo afirmam que, "tendo incorporado alterações a matérias definidas como inegociáveis pelo caderno de encargos, (...) a proposta adjudicatária violou esse caderno de encargos e era ilegal".

Como tal, acrescentam, "deveria ter sido excluída do concurso, por força do disposto no Código dos Contratos Públicos".

Esta decisão do TC surge depois de vários pedidos de esclarecimento por parte daquele Tribunal à Refer - Rede Ferroviária Nacional e de vários pedidos de prorrogação de prazo da gestora da infraestrutura ferroviária para o reenvio do contrato.

O contrato, assinado a 8 de maio de 2010, foi enviado pela primeira vez ao TC a 27 de maio de 2010, sendo depois alvo de diversas reformas.

O troço Poceirão-Caia representa um investimento de 1,4 mil milhões de euros, segundo os dados disponíveis no relatório e contas de 2010 da RAVE - Rede Ferroviária de Alta Velocidade, empresa entretanto extinta.

No projeto inicial de alta velocidade ferroviária, o troço Poceirão-Caia, juntamente com o troço Lisboa-Poceirão, compunham a linha Lisboa-Madrid.

Em abril do ano passado, o então presidente executivo da Soares da Costa, Pedro Gonçalves, disse que o consórcio Elos já tinha investido cerca de 150 milhões de euros no troço.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG