cgtp

UGT e CGTP dizem que sobrecarga fiscal é uma "bomba" e um "massacre"

UGT e CGTP dizem que sobrecarga fiscal é uma "bomba" e um "massacre"

A UGT e a CGTP voltaram a manifestar-se, esta sexta-feira, contra o agravamento da carga fiscal que vai incidir sobre os trabalhadores portugueses, cujas consequências são ainda desconhecidas.

"O Governo já tinha sido claro ao afirmar que iria reduzir os escalões de IRS, não para promover mais justiça fiscal, mas para promover maior receita quer em 2013, quer em 2014", reafirmou o secretário-geral da UGT, João Proença, à entrada para uma reunião com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, no âmbito do Conselho Europeu de 18 e 19 de outubro, em Bruxelas.

João Proença considerou que o que já é conhecido sobre o Orçamento do Estado para o próximo ano traduz "um aumento brutal de impostos", indo "ao bolso dos portugueses".

Entende, por isso, que o ano de 2013 será "bastante mais gravosos" que 2012, devido "ao maior aumento da carga fiscal alguma vez verificada em Portugal".

Também o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, se insurgiu contra a versão preliminar do Orçamento do Estado (OE) para 2013.

"Estamos perante um Orçamento que se coloca numa perspetiva de massacrar os portugueses", afirmou o secretário-geral da Intersindical, acrescentando que "não podem ser sempre os mesmos a pagar a dívida".

Referiu, a propósito, que "isto é a política da recessão", e acentuou: "Isto é o caminho do desastre, este é o filme que há seis meses se verificou na Grécia e para o qual estamos a caminhar".

Trata-se, segundo Arménio Carlos, de uma política "ilegítima" do Governo que, no entender do sindicalista, "não tem credibilidade para continuar a governar".

De acordo com uma versão preliminar da proposta de lei do OE para 2013, a que a agência Lusa teve acesso na quinta-feira, o Governo prevê uma sobretaxa de 4% no IRS e a redução dos escalões deste imposto, de oito para cinco, além de cortes nas pensões.

A proposta de Orçamento deverá ser entregue no Parlamento na segunda-feira, dia 15 de outubro.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG