Economia

Vários serviços em Bragança encerrados devido à greve

Vários serviços em Bragança encerrados devido à greve

As repartições de Finanças de Bragança e Vimioso estão esta quinta-feira encerradas ao público em consequência da greve geral, outras estão a funcionar mas a meio gás, nomeadamente as repartições de Torre de Moncorvo, onde a adesão foi de 40%, e a de Miranda do Douro, com 33% de paralisação, adiantou ao JN fonte da União de Sindicatos de Bragança.

Nas câmaras municipais do distrito, os efeitos da greve também se fazem sentir. A secção administrativa da câmara de Alfândega da Fé encerrou, bem como os Paços do Concelho de Torre de Moncorvo. Os armazéns da Câmara de Mirandela também encerraram, tal como as oficinas; nos sectores de Obras e Águas a adesão é de 83%. A Padaria Serra Lopes, em Mirandela, fechou porque a adesão chegou aos 100%. Na câmara de Bragança, a adesão à greve levou à interrupção dos autocarros em duas linhas rurais, deixando várias aldeias sem transportes públicos.

O bar e a cantina do Centro de Formação Profissional de Bragança estão encerrados por falta de funcionários, assim como a Conservatória do Registo Predial de Bragança. Nos serviços do Ministério Público, do Tribunal de Bragança, apenas uma funcionária compareceu ao serviço.

A adesão por parte dos enfermeiros da Unidade Local de Saúde do Nordeste também foi considerada "muito significativa" pela União de Sindicatos de Bragança. O trabalho nos três hospitais do distrito está assegurado, mas com serviços mínimos. Durante o turno da noite a adesão dos enfermeiros nos hospitais de Bragança e Mirandela atingiu os 100%, já no turno da manhã ficou pelos 83%. Em Mirandela no serviço de Cirurgia a adesão é de 100% e na consulta externa de 95%. O Centro de Saúde de Santa Maria, em Bragança, está encerrado, e o Centro de Saúde da Sé regista uma adesão de 80% nos serviços de enfermagem e nos serviços administrativos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG