Pandemia

Os bairros são os novos centros urbanos que emergiram com a covid-19

Os bairros são os novos centros urbanos que emergiram com a covid-19

As deslocações das periferias para os centros caíram abruptamente com a pandemia. Shin Pei-Tsay, especialista da Uber, defende soluções multimodais para as cidades do futuro.

Aqui ou em qualquer lugar do mundo, a covid-19 mudou os comportamentos. Mas os novos hábitos que emergiram com a pandemia estão também a provocar profundas transformações na forma como encaramos a vida nos centros urbanos. É isso, pelo menos, que revela o estudo global "O Futuro das Cidades e o Futuro da Mobilidade" que Shin Pei-Tsay, diretora de Políticas, Cidades e Transportes da Uber, apresentou no encerramento do segundo dia da cimeira Portugal Mobi Summit.

As cidades estão agora mais diversificadas e os seus habitantes cada vez mais fixados nos seus próprios bairros, não deixando, porém, de procurar flexibilidade nos meios de transportes para se deslocarem do centro para a periferia, conta a especialista, mostrando que, em cidades como Nova Iorque, Joanesburgo, São Paulo ou Londres, os espaços públicos se converteram em locais de convívio com esplanadas, comércio de rua ou áreas pedonais: "Todas estas tendências terão agora de entrar no planeamento das cidades com soluções de mobilidade multimodal não só para os centros urbanos, mas também para os subúrbios."

O que a pandemia causou, desde logo, foi uma quebra abrupta nos movimentos que antes aconteciam das periferias para os centros urbanos. Os subúrbios e os bairros, em contrapartida, ganharam mais vitalidade: "As deslocações tornaram-se mais curtas e concentradas junto às áreas de residência, provocando um florescimento de percursos pedonais, ciclovias ou ruas abertas à restauração e fechadas ao trânsito."

Embora as deslocações dos centros financeiros possam ter diminuído durante a pandemia, na maioria dos casos, as viagens que atravessam as cidades mantiveram-se como itinerários essenciais para os trabalhadores. Essas mudanças nos padrões de mobilidade devem servir agora para refletir sobre como responder à crescente procura de transportes regionais, não só em hora de ponta, como igualmente nos períodos de menor procura, adverte a diretora de Políticas, Cidades e Transportes da Uber: "Um grande desafio que agora se coloca é assegurar em simultâneo opções de mobilidade sustentável nos bairros, nos centros urbanos e nas zonas pouco povoadas."

As tecnologias vão ter um papel crítico na mobilidade da pós-pandemia, defende a especialista. Mais do que nunca, os serviços de transporte urbano irão precisar de "alternativas sustentáveis e acessíveis" para servir todas as comunidades, incluindo os que tradicionalmente dependem do carro para trabalhar. "Novas soluções tecnológicas podem ser um recurso com grande potencial para as operadoras locais aumentarem a conectividade em infraestruturas que já existem", conta a especialista, lembrando que o ecossistema da mobilidade tem vindo a sofrer profundas mudanças com opções de transporte partilhado, on-demand e multimodal. Por estarem recetivas às novas tecnologias - diz Shin Pei-Tsay -, as operadoras de transporte público podem fortalecer a mobilidade urbana, tornando-a mais resiliente e sustentável. O que se prevê, aliás, é um novo modelo descentralizado e flexível, em vez de soluções tradicionais centralizadas e dispendiosas: "Trabalhando em colaboração com as operadoras existentes, as startups de micromobilidade podem fornecer acesso contínuo à infraestrutura existente", conclui.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG