Mobilidade Prevenida e Segura

Em duas rodas, mas com toda a segurança

Em duas rodas, mas com toda a segurança
Produzido por:
Brand Story

Os meses mais atribulados do verão e das férias já estão para trás, o que significa apenas uma coisa: é a altura perfeita para um andar de moto! Mas antes de rodar o punho, saiba que cuidados deve ter.

Temperaturas amenas, estradas secas e curvas apetecíveis são a receita perfeita para um passeio de moto mais longo do que as deslocações habituais entre trabalho e casa. Afinal de contas, a liberdade que um motociclo permite no trânsito citadino é ainda mais notória quando se escolhe uma estrada desafiante e com paisagens de perder o fôlego.

Na altura de partir para uma viagem de moto - seja ela longa ou curta - existem algumas regras básicas a respeitar para garantir que a única superfície que entra em contacto com o asfalto são os pneus.

Vamos começar pelo equipamento de segurança, dando destaque desde logo ao capacete, não só obrigatório mas essencial para garantir que, em caso de acidente, sejam minimizadas as probabilidades de lesões traumáticas no crânio e pescoço. Os capacetes integrais são os mais aconselhados, uma vez que apresentam maior resistência ao impacto e protegem uma área maior - os capacetes estilo jet deixam a zona do pescoço e queixo mais desprotegida.

Já o casaco e as calças devem sempre que possível contar com proteções, com especial atenção à zona da coluna vertical e cóccix, suscetíveis de sofrer lesões com danos irreparáveis.

Noutro capítulo, não menos importante, falemos de carga. A regra de ouro em viagens longas deve ser sempre: "se não é útil, não se faz à estrada". Transportar demasiada carga é um risco para a segurança, uma vez que implica uma gestão cuidada da distribuição do peso, sob pena de alterar o centro de gravidade do veículo e dificultar a manobrabilidade. Sem esquecer que os consumos de combustível também sofrem negativamente com isso.

Dois pontos que nos afastam do chão

E já que falamos sobre carga, já parou para pensar no índice de carga dos seus pneus? É um fator importante que não deve ser descurado, uma vez que circular a velocidades superiores às estipuladas pelo índice de carga dos pneus que equipam a sua moto pode dar origem a acidentes.

É importante saber ler o seu pneu, tanto no que diz respeito às informações explícitas que ele lhe dá como as menos óbvias. O índice de carga é uma das explícitas - por exemplo, se olhar para um pneu do modelo MICHELIN Pilot Power 3, poderá ver um índice de 73, por exemplo. Nesse caso, ficará a saber que aquele pneu suporta uma carga de 365 kg, e se ao seu lado estiver um W, essa carga poderá ser transportada até uns impressionantes 270 km/h (que devem ficar reservados apenas para track days!).

No que diz respeito às informações que podem não ser tão explícitas, existem duas tipologias de pneus que devem ser bem estudadas antes de equipar numa moto: pneus radiais ou diagonais. A diferença mais importante entre estes dois tipos de pneu é a sua parede lateral. Nos radiais uma parede mais "suave", que permite maior durabilidade, curvas mais precisas e um rolamento mais confortável, bem como distâncias de travagem mais reduzidas, sendo por norma, os pneus mais utilizados em motociclos, especialmente os de elevada cilindrada. O pneu diagonal brilha em trabalhos mais pesados, em situações em que a carga é mais elevada e o chassis do veículo é mais flexível.

Os pneus variam também nas suas várias aplicações e basta consultar um catálogo da MICHELIN para se perder entre opções para as deslocações diárias, as aventuras fora de estrada ou até os pneus super desportivos para usar em circuito. Para a utilização da maioria dos motociclistas portugueses, os pneus de touring ou urbanos são os mais aconselháveis para fazer face às diferentes tipologias de superfície das estradas (seja o asfalto normal ou o empedrado dos centros urbanos mais antigos, sem esquecer a ocasional estrada de gravilha do interior).

Por último, a forma como os pneus deslocam água é fundamental, ou não fosse o piso molhado um dos fatores de maior risco par aos motociclistas, por isso tenha especial atenção ao rasto dos pneus, e à forma como afastam a água da coluna central do pneu - um bom exemplo a manter debaixo de olho são os MICHELIN Pilot Road 4, que são facilmente adaptáveis às condições de circulação da maioria dos portugueses.

Os pneus de uma moto são aspetos tão importantes como nervos de aço e a capacidade de antever dificuldades de quem a conduz. Afinal, quando aquilo que nos afasta do chão são dois pontos com uma área tão reduzida como a de um cartão de crédito, temos de ter a certeza que esses dois pontos nos garantem um passeio que termina com um sorriso nos lábios, certo?