Mobilidade Prevenida e Segura

Há coisas que nunca se esquecem (e outras que convém lembrar)

Há coisas que nunca se esquecem (e outras que convém lembrar)
Produzido por:
Brand Story

Com cada vez mais opções de mobilidade urbana a surgir há uma que nos é mais familiar, e será provavelmente a mais eficiente: andar de bicicleta. Mas há regras a saber.

Praticamente todos nós temos uma boa memória do dia em que aprendemos a andar de bicicleta e o mais peculiar é que mesmo que essa memória se desvaneça, saber andar de bicicleta é algo que não se esquece. Isso porque esse conhecimento fica alojado numa parte especial dos nossos cérebros, destinada à memória procedimental.

Agora que já sabemos o porquê de ser tão fácil voltar a andar de bicicleta, mesmo após uma pausa de vários anos, vamos falar sobre algumas regras importantes na hora de pedalar, seja numa ciclovia urbana a caminho do escritório, ou numa descida acentuada de uma encosta pelo puro prazer proporcionado por esse desafio.

A primeira regra é simples, mas frequentemente ignorada: a segurança. O uso do capacete é um tema cada vez mais discutido, havendo ainda um impasse quanto ao enquadramento legal para bicicletas elétricas e a obrigatoriedade - ou não - do uso do capacete. No entanto, com ou sem lei, há razões de sobra para querer usar sempre o capacete, seja ao conduzir uma bicicleta tradicional ou com motor elétrico auxiliar, sendo a maior de todas as razões a sua integridade física.

No que diz respeito a equipamento, as opções ou requerimentos variam de acordo com o tipo de ciclista que é: se for um ciclista de estrada, mais focado na competição, quererá optar por pedais de encaixe, para maximizar a eficiência com que pedala. Já para quem procura as emoções do BTT ou do downhill, é aconselhável o uso de proteções ou de vestuário com proteções integradas, especialmente nas primeiras saídas em que as quedas são mais prováveis. Para os ciclistas urbanos, o guiador e o selim certos podem fazer toda a diferença, tanto no conforto como na segurança.

Mas algo que é transversal a todos os tipos de ciclismo é um pneu de qualidade, que assegure o nível correto de aderência, velocidade e durabilidade. Um pneu para estrada nunca terá bons resultados num trilho de montanha e, naturalmente, um pneu para montanha nunca será a melhor opção para usar numa metrópole.

Para quem procura os percursos mais acidentados num passeio de fim de semana, os pneus de montanha devem garantir longevidade (ou não fossem eles sujeitos a diversos maus tratos) e aderência. Nos passeios de inverno é importante assegurar um pneu que lide bem com a lama, sendo os MICHELIN N Mud Enduro uma das melhores opções, ou não fossem eles utilizados em competição nas World Series de Enduro, onde o seu padrão "torcido" garante não só a melhor aderência mas também um processo de auto-limpeza que garante melhores performances em terrenos difíceis.

Performance é também palavra de ordem para os ciclistas de estrada, uma comunidade de forte presença no nosso país. Para quem todos os segundos contam, os pneus MICHELIN Power All Season são um bom ponto de partida para os treinos durante todo o ano, faça sol ou chuva, graças a uma resistência melhorada face a furos mas também a uma aderência particularmente elevada em piso molhado. Na altura de partir para a prova, a versão de competição deste pneu pode ajudar a conquistar até 20 segundos ao longo de 40 quilómetros, o que pode representar uma chegada à meta calma, em vez de um sprint desesperado.

Para quem a bicicleta é um meio de transporte diário, a preocupação com o piso molhado e a eficácia das travagens são frequentemente as prioridades e, nesse caso, um pneu com o nome Protek Urban é sem dúvida uma garantia de segurança - ou neste caso, de proteção. Não só porque a tecnologia que deu origem à borracha destes pneus teve em conta toda a informação que as equipas de competição em estrada forneceram para garantir a melhor aderência em piso molhado (se está a pensar em passeios de cimento após uma chuva matinal, nós estamos consigo), mas também porque a sua estrutura foi reforçada para fazer face aos detritos urbanos que potenciam os furos e, mais ainda, já estão pensados para aumentar a eficiência energética das e-bikes.

E agora que já sabe quais são os pormenores que tem de garantir, já pode encarar a estrada (ou os montes) com aquela segurança de quem nunca esquece, por muito tempo que passe.