Planalto Beirão

Mais ecopontos, mais facilidade na hora de separar

Mais ecopontos, mais facilidade na hora de separar
Produzido por:

Não basta promover a separação de resíduos recicláveis: é preciso melhorar, ao mesmo tempo, a recolha e gestão dos mesmos. É este objetivo que justifica o alargamento da rede de ecopontos e o aumento da frota de camiões de recolha. Para que as boas mudanças aconteçam do início ao fim do processo.

Ampliação da rede de recolha de resíduos recicláveis

Garantir que os habitantes encontram mais pontos onde depositar os resíduos recicláveis é um elemento-chave do projeto de modernização e requalificação levado a cabo pela Associação de Municípios da Região do Planalto Beirão (AMRPB). No total, até 2020, deverão ser instalados mais de 1800 ecopontos nos 19 municípios que fazem parte desta região, num investimento de cerca de 3,8 milhões de euros. O objetivo é tornar mais simples e acessível o processo de separação, melhorando o rácio entre o número de habitantes e o número de ecopontos onde é possível fazer a separação de papel/cartão, plástico/metal e vidro, fixando-o nos 122 habitantes por ecoponto. É uma meta ambiciosa que tem vindo a ser conquistada passo a passo. No final de 2018, tinham já sido instalados perto de um terço dos ecopontos de superfície previstos nesta operação, bem como 10 ecopontos subterrâneos. Já este ano, os municípios de Santa Comba Dão, Carregal do Sal, Mangualde, Oliveira do Hospital e Sátão viram chegar novos contentores semienterrados para a separação de resíduos recicláveis que, entre outras vantagens, garantem uma maior capacidade de armazenamento, maior durabilidade e melhores condições de higiene. São números que, associados à tecnologia PAYT que estará presente em 150 ilhas de recolha seletiva, marcam o avanço do Planalto Beirão em direção a um futuro mais verde.

Alargamento da frota de camiões de recolha

Com mais ecopontos, campanhas de sensibilização e outras medidas associadas, espera-se que, em 2020, a recolha seletiva trifluxo (isto é, de papel/cartão, plástico/metal e vidro) seja 50% superior àquela registada em 2014. É para dar resposta a estes números que o projeto contempla, também, o aumento da frota de camiões que recolhem os resíduos recicláveis e os transportam para as estações de transformação. Com uma área de atuação de 6629 km2, a nova frota contará com mais 14 viaturas de recolha seletiva trifluxo, com dimensões adequadas à quantidade e tipo de resíduos transportados, que se vêm juntar às 7 já existentes. No total, estas 21 viaturas permitirão gerir 73 novos circuitos, garantindo a recolha eficaz e atempada dos resíduos depositados na rede de ecopontos alargada. Para garantir que o esforço de cada um no momento de separação e deposição dos resíduos faça, realmente, a diferença, contribuindo para um mundo mais limpo, poupando recursos naturais, ao ajudar na transformação dos resíduos em novos produtos, e estimulando a criação de empregos.