Conteúdo Patrocinado

10 Rotas que prometem levá-lo pelo melhor do Alto Minho

10 Rotas que prometem levá-lo pelo melhor do Alto Minho
Produzido por:
Brand Story

Depois de tanto tempo fechados em casa, chegou a altura de "tirar a barriga de misérias" e fazer as férias das quais tanta falta sentiu. A proposta de hoje é a de juntar o rio, o mar, a serra e a montanha numa viagem pelos encantos do Alto Minho.

Numa junção perfeita de 4 paisagens - rio, mar, serra e montanha - o Alto Minho é conhecido pelas suas tradições, património, boa comida e hospitalidade. Palco de uma intensa ocupação humana que ao longo de milénios foi moldando a sua paisagem, a herança deste passado encontra-se ricamente presente na região do Alto Minho. E é precisamente para que possa conhecer essa herança cultural que surge o projeto "Alto Minho 4D - Viagem no Tempo". Promovido pela CIM Alto Minho, em conjunto com os seus 10 municípios, e cofinanciado pelo NORTE 2020, a proposta é a de partir para o noroeste de Portugal e recuar no tempo, viajando desde a pré-história até à atualidade. O objetivo é que no meio do descanso e do tempo para relaxar fique a conhecer esta região como a palma da sua mão. Para isso, nada melhor do que explorar cada uma das 10 rotas. Nós ajudamos!

Rota da Arte Rupestre e do Megalitismo

Partindo de Caminha, onde se encontra o Portal deste itinerário, no Museu Municipal, é possível percorrer os 10 municípios do Alto Minho e encontrar vestígios da ocupação humana antes do período da escrita. No seu conjunto, estamos perante um verdadeiro museu de arte pré-histórica ao ar livre, composto por um inestimável património histórico e arqueológico do território.

Rota dos Castros

O Portal desta Rota encontra-se em Monção, na casamata da Porta do Rosal, onde é possível descobrir mais de duas dezenas de monumentos de cultura castreja, não fosse esta uma das regiões do país com maior concentração deste tipo de património arqueológico.

Rota do Romano

Com partida da Casa do Arnado, em Ponte de Lima, há uma panóplia de marcos miliários, pontes e pequenos troços do percurso original para descobrir, assim como um vasto património cultural, representado nos vestígios arqueológicos, na arquitetura civil e religiosa, nos aspetos etnográficos da cultura popular, nas lendas e tradições. Aqui, ganha especial destaque a via romana.

Rota do Romântico ao Gótico

Este roteiro inicia-se em Ponte da Barca, no Centro de Informação, Cultura, Convívio e Sede da Junta de Vila Nova de Muía, e atravessa os 10 concelhos do Alto Minho. Desde igrejas a pontes, capelas e mosteiros, representativas do românico no território, à nova forma de construção e organização espacial devedora do gótico, são inúmeros os exemplares a descobrir nesta rota regional.

Rota dos Mosteiros

Com uma grande variedade de mosteiros, que inclui Beneditinos, Cistercienses, Franciscanos e Agostinianos, a rota tem a sua Porta do Tempo no Castelo de Melgaço (Torre de Menagem), partindo para os concelhos vizinhos de Monção, Caminha, Arcos de Valdevez, Ponte de Lima, Viana do Castelo, Ponte da Barca, Valença e Vila Nova de Cerveira, todos eles com imponentes mosteiros e conventos para descobrir.

Rota dos Descobrimentos

Graças ao seu porto de mar, Viana do Castelo abriu-se ao mundo na época dos Descobrimentos, numa troca comercial e cultural que definiu, para sempre, a sua história. Foi graças a esse período dos Descobrimentos, que se viveu um florescimento intelectual e artístico, que se revelou na arquitetura, na escultura, na pintura e em outras manifestações artísticas, fazendo uso de uma iconografia muito específica, que se aplicou ao gótico vigente e que se apelidou de manuelino. Isso mesmo será descoberto numa extensa visita por Viana, mas que também se estende aos concelhos de Arcos de Valdevez, Caminha, Monção, Ponte da Barca e Ponte de Lima.

Rota dos Castelos e Fortalezas

Esta é a Rota que nos leva numa viagem de príncipes e princesas, reis e rainhas, lutas e batalhas, que marcaram a História de Portugal. O Paiol do Campo de Marte, a Fortaleza de Valença, o Castelo de Vila Nova de Cerveira e a Torre do Relógio, em Caminha, são alguns dos pontos a descobrir.

Rota do Barroco

O Alto Minho foi palco de uma densa construção barroca, tanto na arquitetura religiosa como na civil e militar. Esta pode ser apreciada nos 10 concelhos do Alto Minho, com partida da Estação do Tempo de Arcos de Valdevez, situada na Igreja do Espírito Santo.

Rota da Arquitetura Tradicional

A porta de entrada faz-se no Museu Regional, em Paredes de Coura. Desde o solar à pequena casa rural, da capela ao conjunto de espigueiros, dos moinhos às eiras e fornos comunitários, é grande a diversidade de construções de arquitetura tradicional presente nesta região, que marca a paisagem tradicional construída ao longo dos tempos, e cujos exemplares mais representativos podem ser visitados não só em Paredes de Coura, como nos outros concelhos do Alto Minho.

Rota do Moderno e Contemporâneo

Aqui, a Estação do Tempo, que dá o mote de partida para o percurso, fica em Vila Nova de Cerveira, território onde há 40 anos a Bienal Internacional de Arte é uma marca cultural. Mas esta vaga modernista está também presente em outros concelhos do Alto Minho, nomeadamente em Viana do Castelo, designada por "meca da arquitetura". O desafio desta viagem pelo presente é conhecer o património cultural que o Alto Minho e as nossas gerações deixarão para o futuro, sobretudo ao nível da arquitetura e da escultura.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG