Lusa

BPN:Grupo Português de Saúde é única empresa que a SLN não vende - Alberto Figueiredo

BPN:Grupo Português de Saúde é única empresa que a SLN não vende - Alberto Figueiredo

Lisboa, 03 Dez (Lusa) - O Grupo Português de Saúde é a única empresa da Sociedade Lusa de Negócios (SLN) que não está à venda, disse hoje à agência Lusa Alberto Figueiredo, membro do Conselho Superior do grupo, que hoje reuniu.

"A saúde é uma área a apostar, quer consigamos um parceiro estratégico quer tenhamos de apostar sozinhos", afirmou Alberto Figueiredo, referindo-se ao Grupo Português de Saúde.

"À parte a saúde, que está firme, quanto às outras empresas se não é para vender toda a empresa é para vender uma parte", acrescentou.

O Conselho Superior da SLN aprovou hoje por unanimidade o plano estratégico proposto pelo o presidente do conselho de administração, Miguel Cadilhe que, segundo um comunicado do grupo, conjuga as opções estratégicas de "fazer parcerias e tentar o 'turn around' de parte do grupo, alienar as restantes actividades e destinar receita das vendas à redução dos passivos".

Alberto Figueiredo, um dos accionistas de referência da SLN sublinhou que "a estratégia do grupo é diminuir o passivo e aumentar liquidez", o que passa por "vender algumas empresas e fazer desenvolver as outras".

As áreas dos seguros, vinhos e software serão as mais facilmente alienáveis, afirmou.

PUB

Segundo Alberto Figueiredo, são vários os compradores interessados na Real Seguros, nas marcas de vinhos e espumantes Murganheira, Tapada do Chaves e Raposeira e nas empresas de software do grupo, mas a alienação das empresas está sobretudo dependente da "apetência do mercado".

Quanto à nacionalização do BPN, Alberto Figueiredo reconheceu que "alterou a estratégia da SLN" pois o banco era "financiador das empresas" do grupo.

A alienação das empresas mencionadas já estava no entanto prevista na proposta que presidente do conselho de administração da SLN, Miguel Cadilhe, entregou ao Ministro da Finanças, Teixeira dos Santos, acrescentou.

As opções estratégicas que tomadas hoje vão ser submetidas a apreciação final dos accionistas na assembleia-geral convocada para dia 18 de Dezembro.

IZM

Lusa/fim

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG