>
scroll ↓

A 23 de abril de 2005 foi carregado um pequeno vídeo para uma plataforma então desconhecida. Dez anos depois, o
YouTube passou de brincadeira de amigos a negócio de milhões e tomou conta do mundo

REPORTAGEM Daniela Espírito Santo e Catarina Cruz VÍDEO Catarina Cruz

 

 

 

 

 

1 milhÃo a ganhar dinheiro

O YouTube surgiu, há dez anos, como uma brincadeira de amigos. Hoje em dia, o sucesso da plataforma faz esquecer as origens humildes e apresenta-se como um assunto bem sério. Com mais de dez mil milhões de registos, o YouTube não tem rival no mundo dos vídeos online: a cada minuto são adicionadas 300 horas de vídeo ao site, pela mão de milhões de utilizadores, alguns a ganhar bom dinheiro.

“Há mais de 1 milhão de canais em todo mundo a ganhar dinheiro por via das receitas de publicidade”, garante a Google ao JN, acrescentando que, de igual forma, também existem mais de um milhão a utilizar as “plataformas de anúncios Google” para promover negócios.

A receita obtida por cada utilizador é muito volátil e depende de muitos fatores, mas a empresa assegura que “milhares de canais têm receitas na casa dos seis dígitos, todos os anos”, à conta do programa de Parceiros do YouTube, que atribui dinheiro a quem conseguir muitas visualizações. “Muitos ‘YouTubers’ conseguem viver dos seus canais. É o seu primeiro trabalho e são profissionais. Conheço vários casos de utilizadores que conseguem viver do que ganham no YouTube”, assegura Maria Ferreras, diretora de alianças estratégicas do YouTube para a Península Ibérica.

Como? “O YouTube autoriza os utilizadores a colocarem publicidade nos seus vídeos e oferece alguns cêntimos por isso”, explica Miguel Sabino, fundador da ThumbMedia, uma “network” multicanal, que faz a ponte entre os "youtubers" portugueses e o YouTube. Os valores oferecidos pelo site são “dinâmicos” e “tudo conta” para o cálculo da receita final: os “gostos”, os comentários, as partilhas, o número de subscritores e o próprio valor a que foi vendida a publicidade nesse mês. “É impossível avançar com um número, pois tudo é variável”, admite. “Mas para ter uma renda aceitável por mês, um canal precisa de ter, no mínimo, meio milhão de visualizações”.

O primeiro vídeo
O vídeo mais visto

HÁ dez anos a criar estrelas

"Os 'youtubers' são uma parte crucial da plataforma. Já há muito que deixaram de ser teenagers aleatórios com uma câmara. Agora são pessoas que dedicam parte das suas vidas ao seu canal”, começa logo por dizer, ao JN, Maria Ferreras, diretora de alianças estratégicas do Youtube para a Península Ibérica. “Muitos têm equipas de produção e editores. Apresentam os seus programas. São uma autêntica equipa de produção”, explica Ferreras.

Portugal não é exceção. Miguel Campos, Ana Correia e Tânia Argent são disso exemplo. São três jovens que começaram a criar vídeos sem grandes ambições, mas cujo sucesso online acabou por abrir-lhes portas offline. Com milhares de subscritores – no caso de Miguel Campos, milhões – já não imaginam a vida longe do canal que lhes moldou o futuro e são uma inspiração para quem se inicia nesta plataforma global.  

 

O maior youtuber português
Nome Miguel CaMpos
Idade 23
ocupaÇÃO Estudante de Redes de Comunicação

Número de subscritores 2 615 022
Mais vistoPolícias e Ladrões! - Minecraft" (1.590.521 visualizações)

 

Ela fala sobre tudo, com graça
Nome Ana Correia
Idade 24
OCUPAÇÃO Estudante de Design GrÁfico

Número de subscritores 35 808
Mais vistoPep Talks – Casa dos Segredos" (110 758 visualizações)

 

Dicas de maquilhagem inspiraram negócio
Nome Tânia Argent
Idade 27
OCUPAÇÃO EmpresáriA

Número de subscritores 6353
Mais vistoDicas - Como ter o Cabelo Comprido" (4628 visualizações)
YouTube nasceu em 2005

 

Em 2006 já tinha

6
milhões de vídeos carregados

 

Foi comprado pela Google por
1,6
mil milhões de euros

Quer ser uma estrela do Youtube?

Ter sucesso no Youtube não passa só por criar um canal e ligar a câmara de filmar. Um vídeo viral é muito difícil de conseguir (e de prever), mas há algumas dicas que podem ajudar:

Ser autêntico

Dar uma visão pessoal das coisas é uma mais-valia para assegurar seguidores

Trabalhar muito

É preciso criar e partilhar conteúdo com muita frequência

Interação

Manter a comunidade interessada é meio caminho andado para garantir visualizações regulares

Colaborações

Convidar outros Youtubers é um excelente meio de ganhar novos seguidores e aprender novos truques

Apostar na qualidade

Bom material e conteúdo pensado faz a diferença

Subscritores

Mais do que visualizações, é preciso fazer crescer o número de subscritores para assegurar mais visualizações no futuro

Criar hábitos de publicação

Assim os seguidores sabem sempre quando haverá conteúdo novo

Estatísticas

Usar as ferramentas analíticas do Youtube para saber quando publicar e o que mais agrada ao público-alvo

 

 

A "rede de canais do Youtube" em portugal

O Youtube é tão grande e tem tantos utilizadores que decidiu criar, há cerca de três anos, uma espécie de opção de agregação de canais, para gerir a enorme quantidade de canais criados.

Por cá, o canal oficial que faz a ponte com o Youtube é a ThumbMedia, criada por Miguel Sabino “no início do ano passado”, a convite do próprio Youtube. Reúne “centenas de canais portugueses”, incluindo nomes como Rui Unas, Carlão (dos Da Weasel), Nuno Markl e, claro está, Youtubers famosos como, António Raminhos, Miguel Luz ou NTS. “Anexamos canais à nossa rede e ajudamos esses canais a otimizarem a sua presença no Youtube”, explica Miguel Sabino, adiantando que, todos os dias, admitem “cinco ou seis” novos Youtubers.

Quem consegue entrar para esta comunidade (o que nem sempre é fácil), recebe aconselhamento para tornar o canal mais atrativo e passa a ter a possibilidade de colocar publicidade nos vídeos de forma automática, sem ter de passar pelo processo burocrático de o pedir diretamente ao Youtube. “O que o Youtube faz é olhar para os canais da nossa network, dizer quanto foi ganho num mês e os canais recebem consoante a performance que tiveram”, explica Miguel Sabino.

Esta é a primeira comunidade do género em Portugal, mas existem muitas mais pelo mundo fora, divididas por país, região ou temática. Uma das mais conhecidas é a Vevo, que aloja, normalmente, artistas musicais.

YouTube estÁ em 75 paÍses e em 61 lÍnguas

 

Recebe

1000
milhões de visitas únicas por mês

 

São adicionadas
300
horas de vídeo por minuto no Youtube

A TV do Século XXI

Já há algum tempo que o Youtube deixou de ser um portal de vídeos de gatos e assumiu uma posição importante na criação de conteúdo, tornando-se no grande substituto da televisão para os mais jovens.

Se existe, está no Youtube, foi analisado (ou destruído) no Youtube, tem o seu próprio canal no Youtube ou até toda uma comunidade dedicada. A experiência humana já não dispensa esta plataforma e seria difícil imaginar um futuro em que o Youtube não fosse parte integrante.

“Esta é a nova TV”, assegura Maria Ferreras, diretora de alianças estratégicas do Youtube para a Península Ibérica. O que parece atrair tanta gente é o facto de ser “uma plataforma aberta” e “muito democrática”. “Tudo é adicionável. Desde que as regras da comunidade sejam respeitadas, somos livres para adicionar o conteúdo que quisermos”, diz. “Nesse sentido, não há nenhum outro meio igual. O utilizador pode escolher o que ver e quem seguir”, diz.

Igual opinião tem Miguel Sabino, responsável pela ThumbMedia ( uma espécie de “TV Cabo do Youtube”, que reúne centenas de “youtubers” portugueses) que admite que até já há utilizadores que vêem canais como quem segue uma série. “Há hábitos de visualização e um horário para o público ver o canal, como quem vê um programa”, assegura.

Os estudos comprovam esta ideia. Para muitos, o Youtube veio substituir a televisão. Segundo um estudo de mercado, o Youtube chega a mais adultos norte-americanos entre os 18 e os 34 anos que qualquer companhia de televisão por cabo. Aliás, as chamadas “estrelas do Youtube” são, segundo a revista Variety, “mais populares do que as celebridades mais mediáticas entre os adolescentes norte-americanos”.