A 13.ª edição do Marés Vivas acontece de 19 a 21 de julho, depois de, em 2018, se ter estreado na Antiga Seca do Bacalhau, em Gaia.
Sting, Keane e Ornatos Violeta são os cabeça de cartaz do festival.
(?) Clique nas abas azuis para saber mais
Fonte: Marés Vivas
Infografia: Tiago Coelho
A 13.ª edição do Marés Vivas acontece de 19 a 21 de julho, depois de, em 2018, se ter estreado na Antiga Seca do Bacalhau, em Gaia.
Sting, Keane e Ornatos Violeta são os cabeça de cartaz do festival.
19JULHO
PALCO MEO
KEANE
SEXTA 19 JUL - PALCO MEO
Em 2013, os Keane lançaram quatro LP's completos, venderam 12 milhões de álbuns e ganharam dois Brit Awards e um Ivor Novello.
Em 2013, os Keane lançaram quatro LP's completos, venderam 12 milhões de álbuns e ganharam dois Brit Awards e um Ivor Novello. “Hopes and Fears” entrou na lista dos 40 álbuns mais vendidos no Reino Unido de todos os tempos, onde percorreram mais de 40 países, tocando ao vivo do Rio de Janeiro a Amesterdão; do estádio de Wembley ao Saturday Night Live. O romancista Bret Easton Ellis descreveu Perfect Symmetry como “a música pop perfeita e orgástica”. Pharrell convidou a banda para gravar no seu estúdio e Lily Allen declarou-se uma grande fã, passando a tocar Somewhere Only We Know, uma música que agora ganhou vida própria com uma nova geração de fãs.
Depois de 15 anos, e sendo amigos desde a infância, a banda estava prestes a terminar. O vocalista Tom Chaplin sentiu-se inquieto e pronto para escrever e gravar um álbum a solo.
Enquanto isso, o compositor e teclista da banda, Tim Rice-Oxley, o primeiro a casar e a ter filhos, estava prestes também ele a mudar a sua vida. Jesse Quin, o baixista, tinha planos de abrir um centro de artes, enquanto Richard Hughes achava que também ele poderia simplesmente largar as baquetas para sempre. Então, em 2013, a banda terminou com um espectáculo em Berlim que parecia um final, embora nunca tenha sido anunciado oficialmente como tal. E então, nada mais aconteceu com os Keane.

Até recentemente, quando, depois de lançar dois álbuns a solo, Tom percebeu que havia alguma coisa em falta na sua vida - um relacionamento que era tão crucial que parecia família. Percebeu que ansiava por ver Tim novamente, e quando se reencontraram Tim revelou que estava a trabalhar em material novo. Tim sempre escreveu músicas emocionais, mas estas eram diferentes, eram mais profundas; escritas a partir do desgosto, contando uma história de amor e luxúria. Mas também havia humor, além de dor.
Como Tim revelou: "Hopes and Fears foi um álbum de break-up, mas foi sobre um break-up quando eu tinha 19 anos. É um pouco diferente à medida que se envelhece - todo o nosso mundo muda de eixo". que o que faltava nessa música era um certo vocalista. “Achei que era o conjunto de músicas mais pessoal e mais vulnerável que eu já ouvi. E fiquei muito atraído por isso”, explica Tom. "Parecia uma história que eu poderia viver." E assim a banda se reuniu, todos os quatro entusiasmados para perceber que poderiam fazer algo poderoso juntos, algo novo. Como Rich diz: "Acho que percebemos que somos mais do que a soma das nossas partes”.
KODALINE
SSEXTA 19 JUL - PALCO MEO
Os Kodaline contam com Steve Garrigan (voz, guitarra, teclados, bandolim e harmónica), Mark Prendergast (guitarra, voz secundária e teclados), Vinny May (bateria e percussão) e Jason Boland (baixo e voz secundária).
Os Kodaline contam com Steve Garrigan (voz, guitarra, teclados, bandolim e harmónica), Mark Prendergast (guitarra, voz secundária e teclados), Vinny May (bateria e percussão) e Jason Boland (baixo e voz secundária).
Receberam o convite para viajarem até LA e juntar-se ao conhecido produtor Jacknife Lee e desta experiência não esperavam a abordagem completamente nova que receberam, o carinho pelos sintetizadores e o single do segundo álbum, já escrito – Jacknife foi o responsável pela saída da banda da sua zona de conforto.
Mas aquilo que realmente carateriza os Kodaline é o poder emocional que transmitem nas suas músicas e a relação com os fãs, fazem deles uma banda de sucesso.
MISHLAWI
SEXTA 19 JUL - PALCO MEO
O luso-americano de apenas 22 anos começou 2019 da melhor forma possível com o lançamento do seu primeiro álbum “Solitaire”, seguido de concertos de apresentação lotados no Coliseu de Lisboa e no Hard Club no Porto.
O luso-americano de apenas 22 anos começou 2019 da melhor forma possível com o lançamento do seu primeiro álbum “Solitaire”, seguido de concertos de apresentação lotados no Coliseu de Lisboa e no Hard Club no Porto.
O álbum “Solitaire”, de onde saiu o hit “Uber Driver” é o projeto mais pessoal e íntimo de Mishlawi e conta com as colaborações do sul-africano Nasty C e do norte-americano Trace Nova, que já havia colaborado com Mishlawi no tema “Afterthought"”. O álbum “Solitaire” é editado pela Bridgetown Records e distribuído pela Sony Music em Portugal, pela histórica Island Records no Reino Unido e nos Estados Unidos da América – editora responsável pelo catálogo de artistas como Drake, Ariana Grande, Kid Cudi, entre outros - e pela Universal Music na Alemanha.
Mishlawi começou a sua carreira em 2016 com o single “All Night” que já superou a marca dos 12 milhões de visualizações. Influenciado sobretudo pelo rap, RnB e trap-soul, Mishlawi lançou em 2017 “Always on My Mind”, “Boohoo”, ft Richie Campbell e “Limbo” e no último ano “FMR” e “Rain” com Richie Campbell e Plutónio, todos integrantes da Bridgetown, que atingiu o galardão de Ouro.
Desde 2016 atuou nos maiores festivais portugueses e fez digressões internacionais em países como a Rússia e o Reino Unido.
​Conta também com a presença no programa icónico “Tim WestwoodTV” e “All Night” foi música da semana no Nick Grimshaw show na BBC Radio 1.
OS QUATRO E MEIA
SEXTA 19 JUL - PALCO MEO
Em Maio de 2013, cinco amigos com gosto pela música juntavam-se para uma pequena atuação num Sarau de Gala no TAGV, em Coimbra. Estava assim realizada a primeira reunião d’Os Quatro e Meia.
Em Maio de 2013, cinco amigos com gosto pela música juntavam-se para uma pequena atuação num Sarau de Gala no TAGV, em Coimbra. Estava assim realizada a primeira reunião d’Os Quatro e Meia.
Atualmente com seis elementos – João Cristóvão Rodrigues (violino e bandolim), Mário Ferreira (acordeão e voz), Pedro Figueiredo (Percussão), Ricardo Liz Almeida (guitarra e voz), Rui Marques (contrabaixo) e Tiago Nogueira (guitarra e voz), Os Quatro e Meia procuram, de uma forma descontraída e bem-disposta, conferir novos olhares e sonoridades na composição de canções feitas na língua de Camões.
Como afirmam os próprios, "todos os dias são dias bons, simplesmente, uns dão mais trabalho para o ser do que outros". Com base nesta ideologia, a banda apropriou-se de uma expressão recorrente do nosso quotidiano, “P'ra Frente é Que É Lisboa”, para criar a sua primeira composição, e assim batizar o seu single de apresentação.
O álbum de estreia – “Pontos nos Is” – foi editado a 30 de junho deste ano, com o selo da Sony Music Portugal, e entrou diretamente para o primeiro lugar do top nacional de vendas.
A digressão “Pontos nos Is” já passou por salas como a Casa da Música (Porto), CC Olga Cadaval (Sintra), Casino de Tróia e festivais como o MEO Marés Vivas ou O Sol da Caparica, e irá continuar a percorrer o país, dando a conhecer as músicas do álbum, com a boa disposição e energia que tanto caracterizam Os Quatro e Meia.
A estreia no Coliseu do Porto, em Novembro de 2018, foi um sucesso. Já está marcado para Outubro deste ano o concerto no Coliseu dos Recreios.
20JULHO
PALCO MEO
ORNATOS VIOLETA
SÁBADO 20 JUL - PALCO MEO
Para comemorarem o 20º aniversário da edição de “O Monstro Precisa de Amigos” em 2019, os Ornatos Violeta decidiram brindar o público, com um curto regresso aos concertos, para a interpretação integral da sua obra seminal e sobem ao palco do MEO Marés Vivas, a 20 de Julho.
Para comemorarem o 20º aniversário da edição de “O Monstro Precisa de Amigos” em 2019, os Ornatos Violeta decidiram brindar o público, com um curto regresso aos concertos, para a interpretação integral da sua obra seminal e sobem ao palco do MEO Marés Vivas, a 20 de Julho.

​Editado a 22 de Novembro de 1999, “O Monstro Precisa de Amigos”, o segundo e último álbum de originais dos Ornatos Violeta, superou as expectativas criadas pelo disco de estreia, “Cão!”, e confirmou o talento de Manel Cruz (voz), Nuno Prata (baixo), Peixe (guitarra), Kinörm (bateria) e Elísio Donas (teclados) na composição de canções intemporais que, ano após ano, continuam a ser descobertas, recuperadas ou interpretadas pelas gerações mais novas.
MANDO DIAO
SÁBADO 20 JUL - PALCO MEO
Desde 2002 lançaram sete álbuns de estúdio e venderam mais de 1,5 milhões de cópias em todo o mundo.
Desde 2002 lançaram sete álbuns de estúdio e venderam mais de 1,5 milhões de cópias em todo o mundo.
Ao longo da sua carreira já deram mais de 1500 concertos em mais de 30 países e têm sido cabeças de cartaz em grandes festivais espalhados por todo o mundo.
No Youtube os seus vídeos tornaram-se virais com dezenas de milhões de visualizações. Lançaram ainda um lado B e uma coleção de Greatest Hits e um MTV Unplugged Álbum, assim como um DVD.
Podemos dizer que muitas bandas contemporâneas vão e vêm, mas os Mando Diao continuam a alcançar novos patamares e com isso a redefinir a música pop.
Seguiram sempre o seu próprio caminho, com uma visão artística sem que a estrada fosse reta ou estreita e foram testando novos territórios. Foram pioneiros ao testar novas tecnologias.
São conhecidos pelo som clássico do Rock and roll e não escondem que para eles a música é uma arte, onde tocam vários instrumentos, são produtores e compositores das suas próprias canções.
CARLÃO
SÁBADO 20 JUL - PALCO MEO
Filho de pais Cabo Verdianos, Carlos Nobre Neves nasceu em Angola, tendo viajado para Portugal no mesmo ano do seu nascimento, 1975.
Filho de pais Cabo Verdianos, Carlos Nobre Neves nasceu em Angola, tendo viajado para Portugal no mesmo ano do seu nascimento, 1975. Sob o pseudónimo “Pacman”, entre 1993 e 2009 foi um dos vocalistas e o principal letrista dos “Da Weasel”, a mítica banda de Almada. Nos anos noventa escreveu sobre música para o jornal “Blitz” e na década de 2000 assinou crónicas na revista “Domingo” do “Correio Da Manhã”, vindo mais tarde a ser responsável pela coluna “A Impossibilidade Das Mulheres” que transitou da revista “Playboy” para a congénere “GQ”.
Após o termino dos “Da Weasel” gravou dois discos com “Os Dias De Raiva” (em 2010 e 2011), banda trash/hardcore, e logo a seguir embarcou no projecto “Algodão”, viagem intimista onde a música serviu de pouco mais do que suporte para textos de cariz bastante pessoal, quase sempre ditos. Com “Algodão” gravou também dois discos, em 2011 e 2012.
No final de 2013 entra em estúdio com Fred Ferreira e Regula, e, sob o seu nome de sempre - Carlão - grava o disco “5-30” que é editado em 2014 e marca um regresso a sonoridades mais próximas do Hip-Hop e daquilo que tinha feito com os “Da Weasel", ao mesmo tempo que devolve a sua voz ao circuito de concertos em palcos grandes. Nesse mesmo ano começa a gravar “Esquadrão Do Amor”, programa televisivo do Canal Q criado e apresentado por Ana Markl, onde faz parte do painel de comentadores juntamente com Cláudio Ramos e São José Correia/Marta Bateira.
Em 2015, ano em que completa quarenta anos de idade, Carlão edita um álbum em nome próprio justamente intitulado “Quarenta”, e o sucesso do primeiro single “Os Tais”, bastante tocado pelas rádios mais ouvidas do país, torna-o imediatamente requisitado para uma intensa agenda de concertos. No primeiro trimestre de 2016 lança (em edição digital) o EP “Na Batalha” com o tema-título como single, sendo este o mote para a sua digressão nesse ano. Juntamente com Boss Ac criou o tema-genérico do programa de cariz sociológico “E Se Fosse Consigo”, da autoria de Conceição Lino que estreou no mês de Abril no canal televisivo SIC e foi líder de audiências, tendo granjeado vários prémios e menções honrosas na comunicação social. Em 2017, desenvolve “Livres & Iguais”, um projeto pedagógico de promoção da Interculturalidade, em parceria com a empresa Betweien, cristalizado num livro que já vai na sua segunda edição, tendo recebido para a mesma o selo de qualidade e reconhecimento do Plano Nacional de Leitura. Após desvendar “Agulha no Palheiro” e “Viver Pra Sempre” ainda em 2017, Carlão apresenta em 2018 o single “Contigo” (produzido por Branko e Pedro), antes de finalmente editar o álbum “Entretenimento?”.
O mais recente disco conta com várias participações de relevo, tais como Manel Cruz, António Zambujo, Slow J, Holly, Nelson Correia e Edi Ventura. Depois de VHILS ter assinado a capa de “Quarenta”, coube agora a responsabilidade do design da capa de “Entretenimento?” a Miguel Januário aka ±MAISMENOS±
Ainda em 2018, colabora com os Xutos & Pontapés em “Duelo Ao Sol”, tema principal da banda sonora do filme “Linhas de Sangue” e junta-se a Moullinex e a Silk ( Cais Sodré Funk Connection ) para assinar a música do genérico da novela da SIC “Alma e Coração”. Já em 2019, a música “Entretenimento” ganha agora uma nova dimensão num vídeo com autoria de Fernando Mamede, realizador que integra a equipa da Krypton Films.
Partindo de uma critica sarcástica aos códigos da sociedade atual e ao nosso papel na mesma, o músico veste a pele do personagem maior do mundo do entretenimento, o palhaço.
DON BROCO
SÁBADO 20 JUL - PALCO MEO
Os Don Broco são uma banda de rock alternativo formada em 2008 em Bedfordshire.
O quarteto é composto pelo vocalista Rob Damiani, o guitarrista Simon Delaney, o baixista Tom Doyle e o baterista Matt Donnely. Já tocaram em inúmeros festivais do Reino Unido, incluindo o Camden Crawl, o Boardmasters, o Underage, o Sonisphere, Slam Dunk e o Reading.
Os Don Broco são uma banda de rock alternativo formada em 2008 em Bedfordshire.
O quarteto é composto pelo vocalista Rob Damiani, o guitarrista Simon Delaney, o baixista Tom Doyle e o baterista Matt Donnely. Já tocaram em inúmeros festivais do Reino Unido, incluindo o Camden Crawl, o Boardmasters, o Underage, o Sonisphere, Slam Dunk e o Reading.
Foi a 14 de fevereiro de 2011 que lançaram o seu primeiro mini álbum de estreia “Big Fat Smile”, tendo recebido criticas excelentes e começando a atrair a atenção dos fãs. Sendo que o álbum completo “Priorities” só saiu em agosto de 2012.
As suas influências são facilmente reconhecidas através de Young Guns e Funeral for a Friend. No verão de 2013 lançam o single “You Wanna Know” que chegou ao top 40 da UK Singles Chart.
Em 2015 fazem uma tourné europeia com os Bring Me the Horizon e dão ainda apoio aos 5 Seconds of Summer.
21JULHO
PALCO MEO
STING
DOMINGO 21 JUL - PALCO MEO
Compositor, cantor, ator, autor e ativista, Sting nasceu em Newcastle, Inglaterra, antes de se mudar para Londres em 1977 para formar os The Police com Stewart Copeland e Andy Summers. A banda lançou cinco álbuns de estúdio, ganhou seis prémios Grammy e dois prémios Brits, e foi introduzida no The Rock and Roll Hall of Fame em 2003.
Compositor, cantor, ator, autor e ativista, Sting nasceu em Newcastle, Inglaterra, antes de se mudar para Londres em 1977 para formar os The Police com Stewart Copeland e Andy Summers. A banda lançou cinco álbuns de estúdio, ganhou seis prémios Grammy e dois prémios Brits, e foi introduzida no The Rock and Roll Hall of Fame em 2003.
Sendo um dos artistas solo com mais distinção em todo o mundo, Sting recebeu mais 10 prémios Grammy, dois Brits, um Globo de Ouro, um Emmy e quatro nomeações aos Oscars (incluindo a nomeação de 2017 para “The Empty Chair” de JIM: THE JAMES FOLEY STORY) , uma nomeação para os prémios TONY, o prémio Century da revista Billboard e o prémio Personalidade do Ano de 2004 da MusiCares. Também um membro do Hall da Fame dos Compositores, Sting foi premiado com o Kennedy Center Honors, com o The American Music Award of Merit e o prémio da Polar Music. Além disso, Sting foi premiado Honorary Doctorates of Music pela Universidade de Northumbria (1992), Berklee College of Music (1994), Universidade de Newcastle upon Tyne (2006) e Brown University na 250º cerimónia de formatura (2018).
​Ao longo da sua ilustre carreira, Sting vendeu perto de 100 milhões de álbuns do seu trabalho com os The Police e como artista a solo.
HMB
DOMINGO 21 JUL - PALCO MEO
Já eram amigos e já todos tocavam com outras formações, quando em 2007 resolvem formar os HMB, à margem do projecto que mantinham na Igreja Envangélica.
Já eram amigos e já todos tocavam com outras formações, quando em 2007 resolvem formar os HMB, à margem do projecto que mantinham na Igreja Envangélica. Era uma maneira de conseguirem explorar outros caminhos, para além dos que habitualmente tocavam na Igreja. Numa primeira gase, esta reunião serviu de pretexto para a banda poder participar em concursos de talentos "- Juntámo-nos para participar em concursos de bandas e ganhá-los", dizem em tom de brincadeira. E ganharam muitos, até que a brincadeira se tornou cada vez mais séria.
O primeiro disco homônimo foi lançado em 2012 e Dia D, o primeiro single, foi quase um sucesso imediato de rádio. Estavam apresentados os HMB: Soul e RNB, com um toque de jazz, funk e hip hop, sempre em Português e sempre com muito groove. As influências eram muito claras com a música negra norte Americana à cabeça: Al Green, Marvin Gaye, Stevie Wonder, Michael Jackson ou mais recentemente, os Roots, D'Angelo, Eryka Badu ou Common.

"Sente", o segundo disco é editado no final de 2014. "Feeling", "Talvez" e o diversificado "Naptel Xulima", são so cartões de visita, que provam que o sucesso do primeiro disco não foi sorte - Os HMB não eram um fenómeno, mas uma certeza e uma banda preparada para fazer carreira. Neste Segundo disco, a banda explora sonoridades mais dançáveis e convida outros artistas para estabelecer novas parecerias criativas: Da Chick, Samuel Úria, Sir Scracth e DJ Ride, emprestam o seu talente a "SENTE".
Passam os meses seguintes na Estrada. Pisam os palcos de alguns dos maiores festivais portugueses - NOS Alive, Sol da Caparica, Avante ou as Festas do Mar em Cascais e para celebrar o fechar o ano esgotam o cinema Tivoli em Lisboa. 2015 foi o ano da confirmação!
2016 chega com um dueto improvável - ao Soul e RnB dos HMB, junta-se o Fado de Carminho e nasce "O Amor é assim" uma parceria há muito sonhada mas só agora concretizada e a prova que na música não há fronteiras, e não há mesmo! "O Amor é assim" tranforma-se no maior êxito dos Hmb até à data e o single de apresentação do terceiro disco que chegará no final do ano.
Em Maio os HMB, concretizam a sua primeira Tour Internacional com 5 datas em África: África do Sul, Zimbabué, Namibia, Botswana e Moçambique. Uma aventura que lhes trouxe experiências pessoais e profissionais muito enriquecedoras. O ano fecha com duas datas em Macau e o regesso a Angola.
Em 2017 surge MAIS, o terceiro disco da banda e com ele mais um ano repleto de conquistas: "O Amor é assim" ganha o Globo de Ouro para melhor canção, a Banda respresenta Portugal no Rock in Rio Brasil, "Não me leves a mal" em parceria com Jéssica Athayde e a Danone, transforma-se no primeiro videoclip live feito em Portugal e os concertos continuam a ser momentos únicos de celebração colectiva para públicos de todas as idades. Regressam ao Sol da Caparica como cabeças de cartaz, às Festas do Mar em Cascais, onde protagonizam a maior enchente do ano, feito que repetem no Festival F, em Faro.
​A comemorar 10 anos de carreira, os HMB arrancam para 2018 como embaixadores de CASCAIS - Capital Europeia da Juventude e em Fevereiro deste ano, esgotam o Campo Pequeno, no concerto de celebração de "A Primeiro Década".
MORCHEEBA
DOMINGO 21 JUL - PALCO MEO
A dupla que faz parte dos Morcheeba, vivem agora sob a designação “Skye e Ross from Morcheeba”. A banda formada em 1995 e inicialmente composta também pelo irmão de Ross, editaram 9 álbuns e venderam mais de 10 milhões de cópias em todo o mundo.
A dupla que faz parte dos Morcheeba, vivem agora sob a designação “Skye e Ross from Morcheeba”. A banda formada em 1995 e inicialmente composta também pelo irmão de Ross, editaram 9 álbuns e venderam mais de 10 milhões de cópias em todo o mundo.
Skye é portadora de uma das vozes mais reconhecíveis do planeta que acompanhada pela guitarra psicadélica de Ross é uma verdadeira experiência inesquecível e fascinante.
Naquele que será o último dia do festival, os Morcheeba levam até ao MEO Marés Vivas aqueles que serão os seus êxitos de sempre, assim como as novas canções.
TIAGO NACARATO
DOMINGO 21 JUL - PALCO MEO
Tiago Nacarato é um cantautor portuense de 27 anos com raízes brasileiras e com um contacto com a música desde cedo.
Tiago Nacarato é um cantautor portuense de 27 anos com raízes brasileiras e com um contacto com a música desde cedo.
Aos 18 anos decide investir na sua educação musical ao inscrever-se na escola de música Valentim de Carvalho onde teve aulas de canto, guitarra, treino auditivo, teoria musical e combo. Durante esse tempo surgiram as primeiras oportunidades, sendo que um dos marcos mais importantes vem na sequência o convite de Pedro Cardoso (Peixe de Ornatos Violeta), seu professor na altura, para integrar uma orquestra de guitarras e baixos elétricos, projeto esse que pisou palcos como Serralves em Festa, Hard Club ou Casa da Música.
O regresso às raízes brasileiras acontece uns anos depois quando se junta à orquestra bamba social como vocalista, um projeto que junta músicos luso-brasileiros residentes no Porto e que presta tributo a vários clássicos da música brasileira, recriando-os e acrescentando novas sonoridades.
De momento encontra-se em estúdio a produzir o seu primeiro disco de originais e conta já com alguns concertos em território nacional, bem como a estreia no Brasil, em Outubro, com concertos em São Paulo e no Rio de Janeiro.
O primeiro single, “A Dança” foi apresentado em Abril deste ano.
19JULHO
PALCO SANTA CASA
BEATRIZ PESSOA
SEXTA 19 JUL - PALCO SANTA CASA
Beatriz Pessoa é "Um dos nomes que vamos encontrar nos próximos anos". Foi este o mote escolhido pelo suplemento Ípsilon (Público) para descrever Beatriz Pessoa como uma artista consistente e a seguir de perto nos próximos anos.
Beatriz Pessoa é "Um dos nomes que vamos encontrar nos próximos anos". Foi este o mote escolhido pelo suplemento Ípsilon (Público) para descrever Beatriz Pessoa como uma artista consistente e a seguir de perto nos próximos anos. As presenças em festivais como NOS Alive, Belém Art Fest e Super Bock em Stock, no decorrer de 2018, mostraram uma artista consistente. Canções compostas por si, banda segura e arranjos feitos à medida de uma voz “que a pop roubou ao jazz" (Publico dixit). O caminho feito em palcos nacionais mencionados, que se juntam EDP Cool Jazz - primeira parte de Jamie Cullum, Festival MED, Festival F, entre outros, atestam a qualidade de uma artista com créditos já confirmados nos seus vinte anos de vida.
JOANA ESPADINHA
SEXTA 19 JUL - PALCO SANTA CASA
De início, Joana Espadinha levou-nos a dançar e depois fez-nos pensar. E bem. Em dois singles mostrou ao que vinha, começando o ano de 2018 com “Leva-me a Dançar” e desvendando, mais tarde, “Pensa Bem”.
De início, Joana Espadinha levou-nos a dançar e depois fez-nos pensar. E bem. Em dois singles mostrou ao que vinha, começando o ano de 2018 com “Leva-me a Dançar” e desvendando, mais tarde, “Pensa Bem”. É uma cantora, autora, executante. É música de corpo inteiro. Faz canções que nos agarram, ativam a circulação de emoções e a vibração dos músculos, desde logo o coração, e tanto nos convidam a menear as ancas como nos abanam. “O Material Tem Sempre Razão”, o seu novo trabalho, é um disco pop que mergulha no património da música portuguesa e no legado de vozes como as de Lena d’Água ou Gabriela Schaff, como emerge inspirando-se diletantemente em artistas como Air, Stereolab, Aimee Man, Feist ou ainda nas bandas sonoras francesas e na electrónica sensual dos anos 60. Um conjunto de canções raras que exprimem uma voz forte e cristalina, inteligente e esclarecida, emancipada e sedutora.
“O Material Tem Sempre Razão” sucede a “Avesso”, um primeiro registo em que era já visível o talento para a escrita de canções mas que este “Material Tem Sempre Razão” “materializa” de forma consistente e a que não será alheio o facto de a produção ter ficado a cargo e Luísa Nunes aka Benjamim. Uma viagem de exploração e afirmação, tanto em termos musicais como líricos. As letras, por sua vez, revelam várias perspectivas e histórias de amor e de vida, uma narrativa típica do “coming of age” constituída por canções intemporais e nas quais nos reconhecemos.
20JULHO
PALCO SANTA CASA
THE LAZY FAITHFULL
SÁBADO 20 JUL - PALCO SANTA CASA
Os The Lazy Faithfull constituído por Tommy Hogg, João Ramos, Miguel Pinto e Zandré. Depois de “Easy Target”, lançado em 2014, e “Bringer of a Good Time”, lançado em 2017, “Nice Price” é o novo álbum de originais da banda de rock portuense.
Os The Lazy Faithfull constituído por Tommy Hogg, João Ramos, Miguel Pinto e Zandré. Depois de “Easy Target”, lançado em 2014, e “Bringer of a Good Time”, lançado em 2017, “Nice Price” é o novo álbum de originais da banda de rock portuense. “Warning Signs” é o primeiro single do disco recentemente apresentado ao público. Acompanhado pelo seu videoclip contemplativo e introspetivo, aborda, de maneira abstrata, os sinais de perigo de quem alguma vez pensou no seu propósito, neste universo.
JOÃO SÓ
SÁBADO 20 JUL - PALCO SANTA CASA
João Só que nasceu em Coimbra em 1988 e mudou-se aos nove anos para Lisboa. Ouve de tudo, mas faz questão de cantar e de compor em português. As suas influências vão dos Beatles aos GNR, passando pelos Oasis, Clã, U2, Sérgio Godinho, Tom Petty, Rui Veloso, Elliot Smith, Quarteto 1111, Los Hermanos, Elvis Costello e Jorge Palma.
João Só que nasceu em Coimbra em 1988 e mudou-se aos nove anos para Lisboa. Ouve de tudo, mas faz questão de cantar e de compor em português. As suas influências vão dos Beatles aos GNR, passando pelos Oasis, Clã, U2, Sérgio Godinho, Tom Petty, Rui Veloso, Elliot Smith, Quarteto 1111, Los Hermanos, Elvis Costello e Jorge Palma.
Começou a compor aos 15 anos e, desde então, nunca mais parou. Em Janeiro de 2008, juntou-se aos Abandonados e gravou o seu álbum de estreia. Em 2011, publicou “Ela Só”, o disco que deu a conhecer “Sorte Grande”, canção mais tarde interpretada em parceria com Lúcia Moniz. Um ano antes, compôs em parceria com Miguel Araújo “Não Entres Nesse Comboio Amor”. No mais recente “Coração no Chão”, publicado em 2013, aprofundou mais do que nunca a veia beatliana e o fascínio pelas grandes cantigas dos anos 60, das quais se sente herdeiro. Apesar da sua juventude, João Só é um dos cantautores nacionais de maior reconhecimento e êxito – “Sorte Grande”, “Até Ao Fim” ou “É P’ra Ficar” são apenas alguns dos exemplos.
21JULHO
PALCO SANTA CASA
BIYA
DOMINGO 21 JUL - PALCO SANTA CASA
Biya gosta de falar de amor, especialmente de amor-próprio.Com uma atitude sempre positiva, não quer que a vejam mas sim que a oiçam. Tudo começou em 2017, em que com a ajuda de pessoas como Jon, Beatoven e Savage, conseguiu de uma vez por todas lançar o que estava guardado há muito tempo.
Biya gosta de falar de amor, especialmente de amor-próprio.Com uma atitude sempre positiva, não quer que a vejam mas sim que a oiçam. Tudo começou em 2017, em que com a ajuda de pessoas como Jon, Beatoven e Savage, conseguiu de uma vez por todas lançar o que estava guardado há muito tempo.
O single Over You foi a sua carta de apresentação ao mundo, e de forma a juntar os temas que definiram o início da sua carreira decidiu lançar o EP Listen to Me, composto por quatro temas.
MARIA BRADSHAW
DOMINGO 21 JUL - PALCO SANTA CASA
Formada em canto pela London School of Music, Maria Bradshaw iniciou o seu percurso dando voz a composições de Jazz, Soul, R&B e Pop. Desde então destacaram-se as várias participações em programas de televisão como o The Voice e o Ídolos, a par de uma incursão na banda sonora do filme da Disney “A Fabulosa Aventura De Sharpay” em que dá voz ao tema principal “Vou Brilhar”.
Formada em canto pela London School of Music, Maria Bradshaw iniciou o seu percurso dando voz a composições de Jazz, Soul, R&B e Pop. Desde então destacaram-se as várias participações em programas de televisão como o The Voice e o Ídolos, a par de uma incursão na banda sonora do filme da Disney “A Fabulosa Aventura De Sharpay” em que dá voz ao tema principal “Vou Brilhar”. Mais recentemente, em 2017, Maria Bradshaw foi a estrela da nova campanha mundial da Coca-Cola. A voz inspiradora e a interpretação que imprimiu a “Taste The Feeling”, a música do anúncio, fizeram-na regressar a Londres para gravar uma nova versão em estúdio que integrou a campanha do passado verão. Em 2019 apresenta o seu primeiro single, “Quero Mais”, escrito e produzido por André Tentugal, que lança o mote à esperança e força de querer mais, de seguir em frente e de não desistir, num momento em que vivemos uma forte afirmação política e social da mulher. “Quero Mais” é uma canção pop, upbeat e enérgica, que inspira otimismo em quem a ouve sendo o primeiro tema de avanço do disco de estreia a editar este ano.
TAINÁ
DOMINGO 21 JUL - PALCO SANTA CASA
Tainá nasceu na cidade de Nova Marabá, no Pará, o segundo maior estado do Brasil. Foi aí que começou a crescer Tainá, orgulhosa da sua descendência indígena, transmitida por ambos os progenitores.
Tainá nasceu na cidade de Nova Marabá, no Pará, o segundo maior estado do Brasil. Foi aí que começou a crescer Tainá, orgulhosa da sua descendência indígena, transmitida por ambos os progenitores. Morou “em muitos lugares do Brasil”, circunstância que considera decisiva para uma aculturação múltipla e até para contactar os mais variados “sotaques”.
Mas quase apetece anunciar que a sua “casa” sempre foi a música. Espanta perceber que tudo o que Tainá canta no seu primeiro álbum (com duas co-autorias de permeio) é composto, escrito, desenhado e, sobretudo, sentido por uma só pessoa. Mais: por alguém que está a chegar à exposição pública, que se estreia em disco, conseguindo à primeira o que tantos perseguem uma vida inteira.Com uma doçura que perturba, com uma “visão periférica” do(s) seu(s)mundo(s), Tainá não foge das suas realidades, nem finta a solidão, as contradições, os anseios, os impulsos, os desejos, que são comuns a toda agente, mas que nem todos sabem expressar desta forma. Percebe-se, daquilo que fica à disposição, que esta artista que agora nos fica próxima vai crescer, e muito.
19JULHO
BLOCO MOCHE
PLUTÓNIO
SEXTA 19 JUL - BLOCO MOCHE
Plutónio é um artista português de Cascais, cuja sonoridade se tem vindo a equilibrar entre o rap, o RnB e o Afro-Trap. Desde 2016 com a Bridgetown, e depois do seu álbum “Preto e Vermelho”, tem vindo a lançar hit atrás de hit, tornando-o um dos artistas mais requisitados do momento.
Plutónio é um artista português de Cascais, cuja sonoridade se tem vindo a equilibrar entre o rap, o RnB e o Afro-Trap. Desde 2016 com a Bridgetown, e depois do seu álbum “Preto e Vermelho”, tem vindo a lançar hit atrás de hit, tornando-o um dos artistas mais requisitados do momento. Depois do sucesso dos singles “Não Vales Nada”, “3AM” e das participações em “Rain” com Mishlawi e Richie Campbell e “Nunca Pares” com Slow J e Papillon, Plutónio lançou, com DJ Dadda, o gigante “Cafeína”, que já ultrapassou os 14 milhões de visualizações e atingiu o galardão de dupla platina. Já em 2019, os sucessos continuaram com Meu Deus, já galardão de Ouro, “Dramas e Dilemas” e “1 de Abril”.2019 será um ano de concertos e participações nos maiores palcos do país, Angola, Moçambique e Cabo Verde e a 19 de Julho no Bloco Moche do MEO Marés Vivas.
KAPPA JOTTA
SEXTA 19 JUL - BLOCO MOCHE
Kappa Jotta, começou a sua caminhada no Hip Hop em meados de 2004/2005. ​Com apenas 14 anos, o gosto por esta arte urbana começou a inspirá-lo às suas próprias letras. Letras essas, que surgiram em forma de desabafo e expressão de sentimentos numa fase mais complicada da sua adolescência.
Kappa Jotta, começou a sua caminhada no Hip Hop em meados de 2004/2005.
​Com apenas 14 anos, o gosto por esta arte urbana começou a inspirá-lo às suas próprias letras. Letras essas, que surgiram em forma de desabafo e expressão de sentimentos numa fase mais complicada da sua adolescência. Curiosamente, a maior parte dessa escrita ficou na gaveta até que o rapper decidiu lançar alguns temas para a rua. Na altura a qualidade não era a melhor, mas rapidamente captou a atenção de alguns apreciadores desta arte urbana assim como de outros rappers.
Mnémiko e Arma Vokal foram alguns deles que juntamente com Kappa Jotta formaram o grupo da Linha de Cascais, “Guerrilha Urbana”, que surgiu em 2006/2007.
Apesar do sucesso, contratempos da vida fizeram com que o grupo se afastasse, fase em que Kappa Jotta lança a sua primeira mixtape a solo de seu nome “Violência Musical”, datava 2010.
Em 2014 Kappa Jotta juntamente com o seu companheiro de longa data, Dj Big, combinam uma mistura de instrumentais clássicos e beats clubbin para fazer a Mixtape “A Firma”. No mesmo ano saem para a rua temas em que o rapper da “Linha C” colaborou. “Parto Tudo” com 1 Milhão de visualizações e “Já podem falar” com 500 Mil, músicas de Jackpot BCV.
Com pegadas bem marcadas no panorama do Hip Hop português, torna-se um dos nomes mais falados quando se referiam à “nova escola” de músicos.
DJ ODER
SEXTA 19 JUL - BLOCO MOCHE
Oder é um DJ e produtor musical português cujas faixas musicais contam com o apoio de diversos artistas de renome internacional, tais como Jay Z, Pendulum, Steve Aoki, Zane Lowe, Dillinja, Drumsound & Bassline Smith, Ed Rush, TC, SS, Grooverider, Rusko, Dirtyphonics, Mind Vortex, Rene Lavice, DJ Die, John B, Logistics, Aphrodite, Gridlok ou Excision.
Oder é um DJ e produtor musical português cujas faixas musicais contam com o apoio de diversos artistas de renome internacional, tais como Jay Z, Pendulum, Steve Aoki, Zane Lowe, Dillinja, Drumsound & Bassline Smith, Ed Rush, TC, SS, Grooverider, Rusko, Dirtyphonics, Mind Vortex, Rene Lavice, DJ Die, John B, Logistics, Aphrodite, Gridlok ou Excision.
​O seu lançamento de estreia foi em 2009 no selo System Shock Records da Callide com a faixa 'Night Vision' que saiu em Vinyl & Mp3, não muito tempo depois deste primeiro lançamento Oder chama a atenção de Steve Aoki com um Drum & Bass Remix para o Electro Anthem 'Warp', de Steve Aoki e BloodyBeetRoots. Este Remix foi tocado em muitos festivais em todo o mundo e incluído no Dj sets de Pendulum ou Steve Aoki para citar alguns.
Em 2011 foi premiado no "Portuguese DNB Awards" como 'Melhor DJ'e 'Melhor Produtor', e em 2012 ganhou 'Melhor DJ', 'Melhor Produtor' e 'Melhor Trilha'.
2012 começou em grande forma com seu single de 12 "no selo da AMC," Rock The Place "e" Robot Talk ", duas faixas de pista de dança que receberam airplay na BBC 1Xtra, alcançaram o primeiro lugar no D & B Arena Charts, os gráficos de vinil semanais no Redeye e apoio dos principais artistas da cena.
Em 2013, o primeiro lançamento foi um Remix para Benny Page & Top Cat, seguido por um Remix para Dope Ammo & MC Tali. A primeira faixa original do ano foi '9020' e foi assinada como uma faixa exclusiva para a lendária compilação cd 'Drum & Bass Arena 2013'.
20JULHO
BLOCO MOCHE
VALAS
SÁBADO 20 JUL - BLOCO MOCHE
Valas, Johnny Valas - ou João Valido no Cartão de Cidadão - só descobriu que tinha talento para a música uns anos depois de ter começado a escrever os primeiros versos e a gravá-los no seu quarto.
Valas, Johnny Valas - ou João Valido no Cartão de Cidadão - só descobriu que tinha talento para a música uns anos depois de ter começado a escrever os primeiros versos e a gravá-los no seu quarto. O feedback positivo dos seus amigos foi, na altura, determinante para começar a levar a música mais a sério. Foi sempre, desde muito novo, um ávido consumidor de todo o tipo de música mas era no hip-hop que se encontrava, que se identificava. Em 2004, com 14 anos, um colega convida-o para gravarem um som juntos. Foi nesse dia que escreveu e gravou o seu primeiro verso. Depois comprou um set para gravar no quarto e, a partir daí, começa a envolver-se mais com a escrita e a gravação. Em 2009 teve a primeira oportunidade para cantar ao vivo. Decide, então, levar a música para outro nível, encará-la de forma mais profissional.
De todos os projetos em que já esteve envolvido, Nébula foi o que lhe deu mais prazer. O projeto, que desenvolveu em conjunto com o produtor Lhast, permitia-lhe finalmente trabalhar como sempre quis: desenvolver músicas desde o início até à versão final, com um produtor com capacidades únicas e com a vontade comum de fazer algo nunca antes feito em Portugal. Pelo meio escreveu dois livros de poesia que disponibilizou para download gratuito, algo que lhe dá grande gozo e que pretende continuar a fazer. Em 2016 assinou contrato com a Universal Music Portugal, uma oportunidade que há muito esperava, lançando pouco depois o seu primeiro single com o selo da editora multinacional, “As Coisas”, produzido por Lhast. Rapidamente “As Coisas” se torna um dos maiores sucessos recentes do hip hop nacional. O vídeo, até ao momento, soma uns impressionantes 3,8 milhões de visualizações no YouTube/VEVO, sendo que a canção chegou a atingir o 2.º lugar do top Viral no Spotify.
Não se ficou pelo sucesso de “As Coisas”. Em 2017 junta-se de novo ao produtor Lhast e no mesmo dia revela ao mundo dois novos temas: “Acordar Assim” e “Alma Velha”, este último com a participação de Slow J. Em “Acordar Assim” fala sobre conquistar os objectivos traçados e concretizar aquilo com que sempre sonhou fazer profissionalmente. O vídeo oficial conta com mais de 1 milhão de visualizações no YouTube/VEVO. Continuou a atuar um pouco por todo o país, para uma base de fãs cada vez maior e mais fervorosa, presenteando os seus muitos admiradores no final do ano passado com um novo single, “Imagina”, fruto da parceria de sucesso com o produtor Lhast, tendo convidado ainda o rapper ProfJam. O vídeo, realizado por Gerssis David e inspirado no filme “Cast Away” (protagonizado por Tom Hanks), soma mais de 770 mil visualizações. Depois de muito trabalho e empenho, prepara-se agora para lançar o seu primeiro álbum a solo, que certamente vai marcar o hip hop nacional.
EVA RAPDIVA
SÁBADO 20 JUL - BLOCO MOCHE
Eva Marise Cruzeiro Alexandre é o nome de registo de Eva Rapdiva, nascida a 07 de Outubro de 1988 e começou a ouvir rap com apenas 8 anos.
Eva Marise Cruzeiro Alexandre é o nome de registo de Eva Rapdiva, nascida a 07 de Outubro de 1988 e começou a ouvir rap com apenas 8 anos. Aos 12 ganhou coragem e soltou as primeiras rimas de improviso numa típica roda de Freestyle de rua onde os Mc´s dão o melhor de si em batalhas verbais, declamando com ritmo e poesia, feita e pensada no momento. Desde então nunca mais parou. Com o passar do tempo o número de fás foi aumentando e fez com que começasse a produzir temas e foi fazendo participações em alguns dos projetos mais conceituados de Rap da época, sem nunca deixar o carisma e a força intuitiva que a levava para as batalhas de improviso.
Em 2009 escolhe a cidade de Lobito em Benguela como a sua nova morada e, a partir desse momento começa a fazer rap em Angola tendo em pouco tempo sido considerada uma das melhores cantoras de rap do pais.
Muda-se para Luanda em 2011, em busca de novos horizontes e um ano depois começa a apresentar o programa Beatbox na Rádio Luanda.
Em 2013, EVA decide fazer a sua primeira obra discográfica “Rainha Ginga do Rap” e o sucesso nos dias de hoje é o reflexo de todo o seu trabalho até aqui.
DJ ODER
SEXTA 20 JUL - BLOCO MOCHE
Oder é um DJ e produtor musical português cujas faixas musicais contam com o apoio de diversos artistas de renome internacional, tais como Jay Z, Pendulum, Steve Aoki, Zane Lowe, Dillinja, Drumsound & Bassline Smith, Ed Rush, TC, SS, Grooverider, Rusko, Dirtyphonics, Mind Vortex, Rene Lavice, DJ Die, John B, Logistics, Aphrodite, Gridlok ou Excision.
Oder é um DJ e produtor musical português cujas faixas musicais contam com o apoio de diversos artistas de renome internacional, tais como Jay Z, Pendulum, Steve Aoki, Zane Lowe, Dillinja, Drumsound & Bassline Smith, Ed Rush, TC, SS, Grooverider, Rusko, Dirtyphonics, Mind Vortex, Rene Lavice, DJ Die, John B, Logistics, Aphrodite, Gridlok ou Excision.
​O seu lançamento de estreia foi em 2009 no selo System Shock Records da Callide com a faixa 'Night Vision' que saiu em Vinyl & Mp3, não muito tempo depois deste primeiro lançamento Oder chama a atenção de Steve Aoki com um Drum & Bass Remix para o Electro Anthem 'Warp', de Steve Aoki e BloodyBeetRoots. Este Remix foi tocado em muitos festivais em todo o mundo e incluído no Dj sets de Pendulum ou Steve Aoki para citar alguns.
Em 2011 foi premiado no "Portuguese DNB Awards" como 'Melhor DJ'e 'Melhor Produtor', e em 2012 ganhou 'Melhor DJ', 'Melhor Produtor' e 'Melhor Trilha'.
2012 começou em grande forma com seu single de 12 "no selo da AMC," Rock The Place "e" Robot Talk ", duas faixas de pista de dança que receberam airplay na BBC 1Xtra, alcançaram o primeiro lugar no D & B Arena Charts, os gráficos de vinil semanais no Redeye e apoio dos principais artistas da cena.
Em 2013, o primeiro lançamento foi um Remix para Benny Page & Top Cat, seguido por um Remix para Dope Ammo & MC Tali. A primeira faixa original do ano foi '9020' e foi assinada como uma faixa exclusiva para a lendária compilação cd 'Drum & Bass Arena 2013'.
21JULHO
BLOCO MOCHE
DOMI
DOMINGO 21 JUL - BLOCO MOCHE
Domi é o novo nome a fixar no panorama do Hip-Hop nacional. Nascido em 98, foi sempre um ávido consumidor de música, de todos os estilos. Quando começa a ouvir rap havia já uma grande base no movimento do hip-hop nacional.
Domi é o novo nome a fixar no panorama do Hip-Hop nacional. Nascido em 98, foi sempre um ávido consumidor de música, de todos os estilos. Quando começa a ouvir rap havia já uma grande base no movimento do hip-hop nacional. Torna-se um assumido discípulo da old school, onde destaca Sam The Kid (a sua grande influência), Valete, Xulage, Xeg, NBC e Regula.
Sempre teve o gosto pela escrita, aos 16 anos começa a mandar as primeiras rimas assumidas e grava a sua primeira maquete.
‘Confins’ chega quase aos 2 Milhões de visualizações e faz com que o hip-hop nacional olhe para Domi.
Seguem-se mais dois sons lançados nesta plataforma digital: “Tempo” e “Segue o Teu Trilho”, que confirmam os skills evidentes, Domi é sem dúvida um dos mais promissores rappers da atualidade. Faz alguns concertos e começa a trabalhar assiduamente com o produtor CharlieBeats e a sua Malamados Crew, a preparar aquele que será o seu EP de estreia.
Aos 19 anos assina pela Universal Music Portugal enquanto editora, management e agenciamento, numa parceria com a agência 808 (que representa nomes como Jimmy P e Piruka).
A licenciatura em Ciências do Desporto na Universidade de Évora fica em stand by, por bons motivos: acabou de lançar o seu novo single “Não Esqueço”, o primeiro com o selo da multinacional.
BISPO
DOMINGO 21 JUL - BLOCO MOCHE
Pedro Bispo, rapper de 25 anos natural de Algueirão – Mem Martins, vinca bem a sua posição no rap sem nunca se esquecer do seu ponto de partida.
Pedro Bispo, rapper de 25 anos natural de Algueirão – Mem Martins, vinca bem a sua posição no rap sem nunca se esquecer do seu ponto de partida. Apesar das inúmeras referências do rapper à sua raiz em diversas faixas, Bispo apresenta, com Mentalidade Free, uma faixa com conteúdo dedicado às suas origens. No fim, o ouvinte é saudado – “Seja bem-vindo”, sendo recebido com prazer na realidade apresentada pelo artista.
Uma das grandes influências do rapper foi Sam the kid, com a faixa O Recado, pertencente ao álbum Sobre(tudo). São ainda destacadas pelo rapper outras músicas que o influenciaram bastante, em concreto Charuto cubano pertencente aos Da blazz e O nosso nome dos Mind da Gap.
DJ ODER
SEXTA 21 JUL - BLOCO MOCHE
Oder é um DJ e produtor musical português cujas faixas musicais contam com o apoio de diversos artistas de renome internacional, tais como Jay Z, Pendulum, Steve Aoki, Zane Lowe, Dillinja, Drumsound & Bassline Smith, Ed Rush, TC, SS, Grooverider, Rusko, Dirtyphonics, Mind Vortex, Rene Lavice, DJ Die, John B, Logistics, Aphrodite, Gridlok ou Excision.
Oder é um DJ e produtor musical português cujas faixas musicais contam com o apoio de diversos artistas de renome internacional, tais como Jay Z, Pendulum, Steve Aoki, Zane Lowe, Dillinja, Drumsound & Bassline Smith, Ed Rush, TC, SS, Grooverider, Rusko, Dirtyphonics, Mind Vortex, Rene Lavice, DJ Die, John B, Logistics, Aphrodite, Gridlok ou Excision.
​O seu lançamento de estreia foi em 2009 no selo System Shock Records da Callide com a faixa 'Night Vision' que saiu em Vinyl & Mp3, não muito tempo depois deste primeiro lançamento Oder chama a atenção de Steve Aoki com um Drum & Bass Remix para o Electro Anthem 'Warp', de Steve Aoki e BloodyBeetRoots. Este Remix foi tocado em muitos festivais em todo o mundo e incluído no Dj sets de Pendulum ou Steve Aoki para citar alguns.
Em 2011 foi premiado no "Portuguese DNB Awards" como 'Melhor DJ'e 'Melhor Produtor', e em 2012 ganhou 'Melhor DJ', 'Melhor Produtor' e 'Melhor Trilha'.
2012 começou em grande forma com seu single de 12 "no selo da AMC," Rock The Place "e" Robot Talk ", duas faixas de pista de dança que receberam airplay na BBC 1Xtra, alcançaram o primeiro lugar no D & B Arena Charts, os gráficos de vinil semanais no Redeye e apoio dos principais artistas da cena.
Em 2013, o primeiro lançamento foi um Remix para Benny Page & Top Cat, seguido por um Remix para Dope Ammo & MC Tali. A primeira faixa original do ano foi '9020' e foi assinada como uma faixa exclusiva para a lendária compilação cd 'Drum & Bass Arena 2013'.
19JULHO
RTP COMÉDIA
SERAFIM
SEXTA 19 JUL - RTP COMÉDIA
Jorge Serafim é natural de Beja, não tem carta de condução e por isso sofre as Passinhas do Algarve sempre que se desloca para fazer um espetáculo. Assim sendo, recomenda analgésicos para as dores nas costas e gargalhadas para as pessoas deprimidas. Define-se como um esmerado cozinheiro nas artes da boa-disposição. Narrador de histórias rocambolescas onde habitam personagens caricatas em situações que nem lembram ao diabo, gosta de as temperar com uma pitada de absurdo e mais duas de imprevisto. Depois de a elas lhes tomar o gosto, refoga-as com muita sátira aos bons, maus e piores costumes, não se lhe escapando nada nem ninguém pelo buraco de uma agulha. Arremata o suculento cozinhado com um polvilhado de Stand Up Comedy.
SOFIA BERNARDO
SEXTA 19 JUL - RTP COMÉDIA
Sofia Bernardo é atriz, criadora e comediante. É uma péssima Instagrammer, uma influencer falhada e uma millenial fora de prazo. A frase que mais pessoas usaram para a definir é “Deves Ter a Mania!”, tanto que tem um solo de stand up comedy com esse nome a percorrer o país. Irónica e sarcástica, o seu humor vem do demasiado desprezo que tem pela raça humana. Ou seja, uma princesa...
SÉRGIO RIBEIRO PEREIRA
SEXTA 19 JUL - RTP COMÉDIA
Humorista, Comediante, Músico, Animador. Todos estão corretos se não estivermos a falar de Sérgio Ribeiro Pereira. Se estivermos, apenas podemos referir a disciplina de canto, uma vez que desde bem cedo, e dados os seus dotes musicais, a sua professora de música o "encostou pra canto".
MARCO CUNHA
SEXTA 19 JUL - RTP COMÉDIA
Marco Cunha como o próprio nome indica o meu primeiro nome é Marco e o ultimo é Cunha. Pessoa séria integra e honesta. Não digo mal de mim a ninguém, nem admito que digam pelo menos a minha frente. A nível físico sou um indivíduo com aptidões inatas para concursos de Feieza!!!
20JULHO
RTP COMÉDIA
MIGUEL 7 ESTACAS
SÁBADO 20 JUL - RTP COMÉDIA
Miguel 7 Estacas, o humorista que completa 30 anos ao serviço da comédia. Já pisou o palco das melhores salas de espetáculos do país e do mundo, tendo registado também no seu currículo a festa de finalistas do 4º ano da Escola Primária de Cedões. Continua a ter um enorme número de seguidores, até que consiga pagar todas as suas dívidas. O seu trabalho ficou também registado em vários meios de comunicação, tais como o Porto Canal, SIC e RTP. Tem também averbados apontamentos de comédia em projetos no Youtube, como o “Pi100Pé”. No seu percurso, também foram captadas imagens em câmaras de vigia, a comer azeitonas e tremoços dentro dos supermercados. Apesar do seu enorme talento e de ser reconhecido pela capacidade criativa invulgar, não gosta muito que usem a sua imagem em cartazes, sobretudo porque costumam a coloca-las no verso, o que lhe causa algum mau estar por ser alérgico à cola.
RÚBEN BRANCO
SÁBADO 20 JUL - RTP COMÉDIA
Viva, o meu nome é Rúben Branco, sou stand-up comedian e acho que as pessoas que não me conhecem deviam repensar as escolhas que fazem a nível de consumo de conteúdos humorísticos. Participei em programas como o Very Typical, que entretanto acabou; fiz a minha estreia no Lisboa Comedy Club, que entretanto fechou e tive uma relação, que entretanto acabou. Se acham que isto não é motivo para rir, nada é.
GABRIEL MENDES
SÁBADO 20 JUL - RTP COMÉDIA
Gabriel Mendes é provavelmente uma das maiores provas vivas da existência e grandiosidade de Deus nosso senhor, pois só mesmo um ser divino e poderoso consegue mandar cá para baixo tal bicharoco. Bicharoco esse que quando entrou na casa dos trinta resolveu por brincadeira experimentar fazer stand up, e a partir daí já ficaram para a historia algumas centenas de atuações, dezenas delas num estado sóbrio e com roupa vestida, tanto em Portugal como no estrangeiro, com um espetáculo caluniosamente apelidado de espetáculo, que para quem gostar de estrume tem aqui uma bela dose bem servida acompanhada obviamente com batata e arroz.
JOÃO PEDRO PEREIRA
SÁBADO 20 JUL - RTP COMÉDIA
João Pedro Pereira é o nome, porém, o que realmente fica na memória é o que traz nos pés. Parvo ou não, ficou conhecido como o puto das meias, algo que a mãe não estranhou, pois sendo de Gaia já é normal aparecer em casa descalço. Aos 19 veio ao mundo do humor e para já pretende ficar, pelo menos enquanto as meias lhe servirem.
21JULHO
RTP COMÉDIA
PEDRO NEVES
DOMINGO 21 JUL - RTP COMÉDIA
Neves é um comediante com mais de 1500 espetáculos realizados desde 2002. É conhecido pela sua peculiar forma de falar, pelo seu humor físico e pelas hilariantes versões musicais com que termina os seus raciocínios humorísticos!
PAULO BALDAIA
DOMINGO 21 JUL - RTP COMÉDIA
Paulo Baldaia, humorista. Não confundir com o Paulo Baldaia jornalista por favor. Os meus primeiros passos na arte de fazer rir os outros foram muito cedo, mais ou menos ao mesmo tempo que dei os primeiros passos a andar pois, tinha tendência a ir de nariz contra as paredes o que fazia familiares e vizinhos soltar altas gargalhadas. Felizmente naquela altura não havia smartphones nem redes sociais. Ao chegar à idade adulta, com a entrada na vida académica, dei um passo em frente na comédia. Não só nos palcos, na apresentação de saraus, mas também nas respostas dos exames, que alguns professores achavam hilariantes. Após a vida académica fiz da comédia profissão (se os políticos podem porque não eu?), com espetáculos por todo o país e atuações televisivas.
NUNO LACERDA
DOMINGO 21 JUL - RTP COMÉDIA
Para quem consome comédia, os humoristas são como um bom prato de comida que é preciso degustar, há peixe e há quem goste de peixe, há carne e há quem goste de carne, há fillet mignon e há sopa de couve, Nuno Lacerda considera-se uma feijoada, é típico do Norte, tem tudo o que sobra de um porco e se comeres muito vais passar 2 horas na casa de banho amarrado a barriga e a chorar de arrependimento.
DAVID SANTOS
DOMINGO 21 JUL - RTP COMÉDIA
Um jovem alto, forte, dinâmico e ligeiramente robusto que envergou pela arte do Stand-Up quando foi chumbado nos testes de ingresso dos Jogos Paraolímpicos porque "não era deficiente" mesmo tendo feito a prova ao pé-coxinho. David já realizou mais de 100 espetáculos com apenas 19 anos, sim! 19!! Faz 19 anos que David tocou numa vagina pela última vez. Considerado por muitos (poucos) humorista a tempo inteiro em parte do seu tempo livre, David gostaria de sensibilizar todos os leitores a aplicarem protetor solar em manobras circulares no sentido anti-horário.
BILHETES
PONTOS DE VENDA
€33
BILHETE DIÁRIO
€61
BILHETE 3 DIAS
€150
BILHETE 3 DIAS VIP
PONTOS DE VENDA:
Lojas MEO e em MEO.PT; Ticketline; FNAC; Masquetick.com
Fonte: Marés Vivas
Infografia: Tiago Coelho