O Jogo ao Vivo

EUA

Cientistas inventaram o branco mais branco e mais frio

Cientistas inventaram o branco mais branco e mais frio

Investigadores criaram uma tinta que dizem refletir 98,1% da luz do sol e enviar o calor infravermelho para longe da superfície que com ela seja pintada, tornando-a mais fria do que o ar circundante.

Voltamos ao velho debate sobre o branco mais branco, capaz de melhor afastar o calor nos dias quentes. O método de pintar edifícios de branco para refletir a luz solar e torná-los mais frios é comum em muitas partes do mundo, incluindo, por exemplo, no sul de Portugal (veja-se o exemplo do Alentejo e do Algarve).

Agora, surge a promessa de uma tinta branca que, dizem os criadores, "é mais branca do que a neve virgem" e mais fria do que as atuais, refletindo 98,1% da luz do sol. Pintar prédios com este produto, que chega ao mercado nos próximos dois anos, pode reduzir a necessidade de ar condicionado, diminuir o uso de combustíveis fósseis e ajudar a combater o problema das ilhas de calor urbanas, que é uma preocupação crescente tendo em conta o aumento global das temperaturas.

Os benefícios são apontados por investigadores da Universidade de Purdue, no Estado norte-americano do Indiana. "Se olharmos para a poupança energética e capacidade de arrefecimento que esta tinta pode fornecer, é realmente entusiasmante", descreveu Xiulin Ruan, docente de Engenharia Mecânica e líder do estudo, cujos resultados foram publicados na revista "ACS Applied Materials & Interfaces".

PUB

A tinta branca atualmente no mercado reflete entre 80 a 90% da luz do sol, mas fica mais quente, não mais fria, ao absorver a luz ultravioleta. Esta nova tinta reflete tanto quanto esfria, dizem os criadores, que começaram por analisar 100 materiais diferentes, antes de reduzi-los a apenas 10 e, seis anos depois, a um - sulfato de bário, usado para fazer papel fotográfico e cosméticos. Uma alta concentração de partículas desse composto químico em tamanhos diferentes cria melhores resultados reflexivos, concluíram os investigadores, que, em vez de usarem um determinado tamanho de partícula, usaram vários, melhorando os resultados.

Os testes mostraram que, ao ar livre, a tinta torna as superfícies mais frias do que o ar noturno. E mesmo durante o calor do meio-dia, revelou-se eficaz, reduzindo as temperaturas da superfície para oito graus abaixo da temperatura do ar - o que faz da tinta não só a mais branca, como também a mais fria, asseguram os criadores. "O que a nossa tinta faz não é apenas remover o calor, mas também remetê-lo para longe, ajudando a reduzir o efeito de ilha de calor", nota Ruan.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG