Inovação

Google despede uma das principais investigadoras de ética da Inteligência Artificial

Google despede uma das principais investigadoras de ética da Inteligência Artificial

A Google despediu uma das suas principais investigadoras de ética da Inteligência Artificial (IA), Timnit Gebru, de acordo com a própria afetada que atribuiu a decisão, na quinta-feira, a represálias por um e-mail, interno que enviou.

Na mensagem de correio eletrónico em questão, enviado a dois grupos de empregados da gigante informática, "Brain Women" e "Allies listserv", Timnit Gebru teceu duras críticas à empresa e encorajou mesmo os seus colegas a "deixar de escrever documentos que não servem para nada", além de queixar-se de que ninguém na empresa a escutava.

Depois de enviar a mensagem, Gebru exigiu aos seus superiores hierárquicos que alterassem algumas condições no local de trabalho, caso contrário abandonaria a empresa, e a resposta que recebeu foi que, como não podiam aceitar as condições que exigia, aceitavam a sua renúncia de forma imediata.

"Achamos que o fim do teu emprego deve acontecer mais depressa do que reflete o teu e-mail porque certos aspetos da mensagem que enviaste aos funcionários refletem comportamentos que não são consistentes com o que se espera de uma diretora da Google", responderam as suas chefias, segundo publicou a própria funcionária despedida no Twitter.

Natural da Etiópia, Gebru licenciou-se na Universidade de Stanford (Estados Unidos) em Engenharia Elétrica e antes de ingressar na Google trabalhou para a Microsoft e para a Apple.

A engenheira é conhecida por um estudo que liderou em 2018, com a investigadora do Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT), Joy Buolamwini, que descobriu que os sistemas de reconhecimento facial falham mais frequentemente com pessoas com tons de pele mais escuros face àquelas que apresentam um tom de pele mais claro.

Além do seu trabalho como diretora de ética de IA, Gebru era particularmente ativa na Google em esforços pela contratação e promoção de pessoas negras e em várias ocasiões mostrou-se crítica relativamente à forma como estas são tratadas pela empresa.

PUB

Outras Notícias