Faceionário

Até o rato do computador o Facebook controla

Até o rato do computador o Facebook controla

O Facebook explicou todas as técnicas usadas para recolher informação dos utilizadores. Nada escapa, desde os movimentos do rato ao GPS ou ao nível de bateria do telemóvel.

A revelação foi feita numa resposta ao Congresso dos EUA depois da audiência de Marck Zuckerbger, na sequência do escândalo com a Cambridge Analytica.

O documento com mais de duzentas páginas clarifica algumas das estratégias usadas pela rede social para recolher dados dos milhões de utilizadores que tem em todo o mundo. Se o controlo sobre aquilo que as pessoas compram na rede ou o tempo que lá passam não é uma novidade, há outras estratégias que podem surpreender quem usa o Facebook.

- O Facebook grava os movimentos do rato. Trata-se de uma técnica usada para comprovar que o utilizador não é um robot;

- A bateria do telemóvel, a potência do sinal e a memória que tem disponível nos aparelhos em que o Facebook está instalado também são elementos analisados;

- O sistema operativo que tem instalado, o browser e os plugins mais usados também são importantes para a rede social;

- O Facebook tem acesso à sua localização GPS, à câmara do telemóvel e ao arquivo das fotografias. E, neste caso, foi você que deu autorização para isso, quando publicou a primeira fotografia na rede social a partir do telemóvel. No caso dos dispositivos Android, e quando o utilizador deu permissão para sincronizar o aparelho com o Facebook, a rede de Zuckerberg também grava as mensagens de texto;

- Todos os acessos que faz a sites com o login do Facebook são registados pela rede social. Estes dados ajudam o Facebook a traçar um perfil do utilizador. Se, por exemplo, procurou um hotel em Paris no Booking, a rede social vai enviar-lhe mais publicidade sobre a capital francesa;

- A empresa confirmou que, em alguns casos, monitoriza os aparelhos próximos dos do utilizador ou de periféricos que estejam conectados à mesma rede, para, por exemplo, "ajudar a enviar vídeos dos telemóveis para as televisões".