Espaço

Encontrada água pela primeira vez numa "super-Terra" em zona habitável

Encontrada água pela primeira vez numa "super-Terra" em zona habitável

Foi encontrada água na atmosfera do K2-18b, um planeta um pouco maior do que a Terra, que orbita uma estrela anã vermelha a 111 anos-luz de distância, na constelação de Leo. É a primeira vez que água é detetada num planeta em zona considerada habitável.

A descoberta, anunciada pela revista Nature, é inédita, uma vez que ao contrário do que acontece com a maioria dos planetas cuja composição atmosférica é conhecida, o K2-18b não é um gigante gasoso como Júpiter, orbitando muito perto da sua estrela.

A água foi encontrada naquela que é conhecida como "zona habitável", a distância limite em que pode permanecer em estado líquido, e o planeta possui características que o tornam semelhante a uma "super-Terra", com cerca de oito vezes da massa da Terra e 2,3 vezes do seu raio.

No entanto, o planeta estudado pelos autores da descoberta, uma equipa da University College London, no Reino Unido, liderada por Angelos Tsiaras, que utilizou imagens captadas pelo telescópio Hubble, não está exposto às mesmas condições que a Terra.

A estrela é uma anã vermelha, o tipo mais abundante no universo. Isso torna o planeta K2-18b um bom candidato para hospedar seres vivos, mas a estrela é bem diferente do nosso Sol. Sem massa suficiente para consumir a sua energia nuclear de maneira estável, estas estrelas lançam de vez em quando explosões que, pelo menos até agora, se acreditava que destruiriam atmosferas de planetas próximos como o K2-18b.

"É a primeira vez que água é detetada num planeta tão pequeno", disse Enric Pallé, especialista em planetas extra-solares do Instituto Astrofísico das Ilhas Canárias, citado pelo "El País", apesar de não ter participado no estudo.

"E se puder ser feito com o Hubble, com James Webb [um telescópio muito maior que será lançado previsivelmente em dois anos], será possível fazê-lo em mais planetas, de tamanho menor e com maior precisão", acrescentou. A dúvida é se as anãs vermelhas fornecem um ambiente adequado. "A água encontrada na atmosfera deste planeta significa que muitos dos planetas que orbitam essas estrelas poderiam ter uma atmosfera".

No caso de um planeta como o K2-18b, é expectável que o hemisfério que está sempre exposto à estrela permaneça muito quente e o lado contrário esteja congelado, o que deixaria pelo meio do clima extremo uma área com uma temperatura mais ou menos adequada para a existência de vida. Os cientistas também sugerem que se tiverem uma atmosfera suficientemente densa, poderão ser criadas dinâmicas climáticas que gerem um ambiente menos extremo.