Tecnologia

Huawei vai continuar a promover 5G em Portugal de "forma ativa"

Huawei vai continuar a promover 5G em Portugal de "forma ativa"

O diretor comercial da área de consumo da Huawei Portugal, Tiago Flores, disse, esta sexta-feira, que a multinacional vai continuar a promover a tecnologia 5G (quinta geração móvel) em Portugal de "forma ativa".

Tiago Flores falava à Lusa depois de a Huawei ter publicado na quinta-feira à noite o seu compromisso para com os consumidores, os quais, refere no 'site', estão "em primeiro lugar, independentemente dos desafios que enfrenta".

Só em Portugal, de acordo com o responsável, foram registadas "40 mil interações de consumidores através das redes sociais desde ontem [quinta-feira] à noite" e o impacto "foi muito positivo".

A empresa tem sido alvo de restrições da parte dos Estados Unidos, sendo que em maio último o Presidente norte-americano emitiu uma ordem executiva a proibir empresas do país de usarem equipamentos de telecomunicações de empresas estrangeiras consideradas de risco, uma medida que visa a China e a Huawei.

Esta pressão sobre a Huawei tem vindo a aumentar de tom, nomeadamente devido ao lançamento do 5G.

"Durante o decorrer deste ano vamos continuar de forma ativa a promover a demonstração do 5G ao consumidor final e ao setor empresarial", disse Tiago Flores, referindo que, apesar de Portugal ainda não ter a tecnologia, a Huawei vai ter um equipamento de quinta geração móvel para realizar as demonstrações.

Em dezembro de 2018, no âmbito de uma visita do Presidente chinês, Xi Jinping, a Portugal, foi assinado entre a Altice e a empresa chinesa um acordo para o desenvolvimento da tecnologia 5G no mercado português.

"Em Portugal já fizemos as primeiras 'demos'" com a tecnologia, nomeadamente com a Altice e a NOS, prosseguiu.

Na semana passada, a RTP fez a primeira transmissão em direto com tecnologia 5G em parceria com a Altice e Huawei.

O responsável pela área de consumo da Huawei Portugal salientou que desde 2009 os investimentos do grupo chinês no 5G em termos de investigação e desenvolvimento ronda os cerca de 2.000 milhões de dólares (cerca de 1.772 milhões de euros, à taxa de câmbio atual).

Além disso, a tecnológica chinesa tem já "46 contratos 5G" com os principais operadores a nível global e "100 mil estações base de 5G no mundo".

A título de exemplo, Tiago Flores apontou que na Ásia a Huawei já está "em ecossistema 5G", nomeadamente com o primeiro hotel inteligente na China, estações de comboios a operar em 5G, bem como a realização da primeira demonstração de cirurgia remota através desta tecnologia.

Apesar das restrições que a Huawei enfrenta, "estamos muito confiantes" no futuro, salientou.

"Somos reconhecidos como a melhor tecnologia de 5G e vamos reforçar o investimento para entregar a melhor experiência" aos consumidores e às empresas.

A empresa, na informação disponibilizada na quinta-feira à noite no seu 'site', garante que "todos os 'smartphones' e 'tablets' da Huawei vão continuar a receber 'patches' de segurança e atualizações do Android" e que "os consumidores que já tenham comprado, ou estejam prestes a comprar um 'smartphone' Huawei, podem continuar, como sempre, a aceder ao mundo das aplicações".

A tecnológica salienta que "todos os dispositivos estão cobertos pela garantia Huawei e terão acesso a todos os seus serviços de garantia", bem como os dispositivos da marca mais conhecidos e atuais, "incluindo a série Huawei P30, terão acesso ao Android Q".

Tiago Flores adiantou que a Huawei já lançou a versão beta para o Android Q (sistema operativo).

Além disso, a marca disponibilizou um conjunto de perguntas e respostas para esclarecer os consumidores.

"Temos já 17 equipamentos preparados e com privilégios de atualização do próximo Android", sublinhou o responsável, adiantando que a marca continua a trabalhar com a Google e com a Microsoft.

Em Portugal, "temos tido um grande sentimento positivo em relação à Huawei", apontou.

"Os consumidores em Portugal estão muito positivos à situação da Huawei e dão-nos toda a confiança para continuar a reforçar a posição", concluiu.