Entretenimento

"Start up" portuguesa cria "Tinder dos universitários"

"Start up" portuguesa cria "Tinder dos universitários"

Jogadores têm de "se avaliar" mutuamente. Sexo, casar ou "matar" são as opções.

De uma animada conversa de final de tarde, após um dia trabalho, saiu uma ideia de negócio para um grupo de jovens recém-licenciados de Lisboa: criar, a partir de um jogo muito popular nos Estados Unidos, uma aplicação que permite estabelecer contacto com pessoas reais, que figuram numa lista de contactos na net.

Criado pelo Build Up Labs, um estúdio de "start ups" português, o "F*ck, Marry, Kill" (FMK) - disponível em www.playfmk.com - rapidamente ganhou popularidade, sobretudo nos meios académicos. "É uma espécie de Tinder dos universitários", explica João Duarte, um dos atuais gestores do projeto.

O jogo funciona de forma simples. Ao inscrever-se, o jogador passa a integrar uma lista, que atualmente ronda os 72 mil utilizadores. "Tem que fazer login com o Facebook, para termos a certeza de que são pessoas reais", observa Christian Vismara, italiano de 27 anos, corresponsável pela gestão do produto.

Tudo começa com a escolha das características das pessoas que vai avaliar, como género, idade e localização. Depois, já no jogo, em cada ronda aparecem-lhe três caras. Destas, tem de escolher com qual gostava de ter sexo (f*ck), com qual poderia casar (marry), ou qual seria capaz de "matar" (kill).

Sintonias e relações

O desafio maior consiste em encontrar sintonias. Quando outro utilizador manifesta pelo primeiro o mesmo interesse (f*ck, marry ou kill) dá-se um "match" e abre-se uma janela de chat. Aí, começam as conversas e as novas ligações. "Tenho uma amiga de Lisboa que conheceu um rapaz do Porto, através do FMK, e acabaram por ter um relacionamento", revela Mónica Santos, de 21 anos, jogadora habitual.

Lançado há um ano, o FMK tem tido enorme sucesso, sendo Portugal e Alemanha os países com mais inscritos. A nível global, tem atualmente 72 600 utilizadores e já registou 1,2 milhões de jogadas e mais de 550 mil mensagens enviadas.

"A maior parte dos nossos utilizadores tem entre 18 e 22 anos", adianta João Duarte, garantindo ser esta a principal diferença entre o FMK e o popular site de encontros "Tinder": "Somos direcionados claramente às gerações mais novas".

ver mais vídeos