Concorrência

Restrição da Huawei na rede 5G por Portugal pode custar 63 milhões de euros por ano

Restrição da Huawei na rede 5G por Portugal pode custar 63 milhões de euros por ano

A restrição da concorrência da Huawei na rede 5G por Portugal poderá aumentar o custo da construção da rede em 63 milhões de euros por ano, considera um estudo da Oxford Economics esta segunda-feira divulgado.

"O nosso modelo sugere que restringir um participante importante pode aumentar o custo de construção da rede de 5G em 63 milhões de euros por ano na próxima década (19% dos custos base) no nosso cenário central", lê-se no estudo "Restrição da concorrência na rede 5G na Europa: um estudo de impacto económico", de junho, da Oxford Economics, encomendado pela Huawei, que analisa 31 países europeus.

"Devido ao aumento dos preços, um milhão de pessoas (10% da população) que teriam de outra forma acesso à rede 5G [quinta geração móvel] poderão ficar sem acesso" à nova tecnologia em 2023, adianta.

"A economia portuguesa deverá contrair-se acentuadamente em 2020 devido à escalada do surto do novo coronavírus e ao impacto económico" das restrições tendo em vista a propagação da pandemia, quer internamente, quer em toda a Europa, aponta o estudo.

Neste contexto de recessão e subsequente recuperação, "um mercado de infraestruturas 5G competitivo ajudaria a maximizar os ganhos da inovação tecnológica e do crescimento em Portugal", prossegue, apontando que os serviços da nova tecnologia e atividades associadas "irão estimular a atividade económica em 3,7 mil milhões de euros no PIB e apoiar cerca de 127.300 empregos em Portugal".

Mas a restrição da concorrência "pode ter impactos económicos adversos significativos", refere o estudo, que apresenta três cenários, sendo que este é o central.

"Restringir a concorrência no mercado de infraestrutura de rede poderá reduzir significativamente o crescimento económico em Portugal nos próximos 15 anos", pelo que "estimamos que isso poderá reduzir o PIB em 2035 para 500 milhões de euros".

"Nos nossos cenários, esperamos um aumento, em média anual, dos custos de investimento nos próximos 10 anos com as restrições à concorrência entre 30 milhões de euros (9%) [cenário mais baixo] e 95 milhões de euros (29%) [cenário do extremo oposto]", adianta.

"A amplitude destas estimativas devem-se à incerteza relativamente à reação de outros fornecedores da infraestrutura de rede", explica o estudo da Oxford Economics.

Este aumento dos preços poderá resultar em atrasos no desenvolvimento da rede de nova geração, segundo o relatório.

"Estimamos que estes atrasos possam levar a mais 1,4 milhões de pessoas (14% da população) sem acesso ao 5G em 2023" em Portugal, referem.

Um menor crescimento económico devido ao atraso do desenvolvimento do 5G, associado com um baixo crescimento tecnológico "reduz o PIB entre 100 milhões de euros e 1,1 mil milhões de euros" dentro de 15 anos, considera o estudo.

O mercado da rede de infraestruturas na Europa é denominado por três "players" - Ericsson, Huawei e Nokia -, as quais foram largamente responsáveis pelo desenvolvimento das redes 4G.

"No entanto, a participação de uma destas empresas - Huawei - no desenvolvimento do 5G será provavelmente limitado devido a uma série de decisões políticas. Os Estados Unidos e a Austrália" baniram a Huawei e em "vários outros mercados, os respetivos governos têm indicado que ou estão a considerar a sua exclusão ou impuseram restrições parciais", aponta o estudo.

"A teoria económica sugere que a restrição à concorrência leva a um aumento de preços", pelo que é esperado que "a restrição a um grande player de concorrer na rede 5G levará a um aumento dos custos de investimento, atrasando a velocidade do desenvolvimento", o que "resultará num abrandamento do crescimento tecnológico e de inovação, baixo rendimento para as famílias e uma recuperação mais lenta da recessão da economia", salienta a Oxford Economics.

No total dos 31 países europeus analisados, o estudo aponta que restrições à Huawei poderão representar um aumento de custos na ordem dos 1400 a 4500 milhões de euros, tratando-se do cenário mais baixo e mais alto, respetivamente. O cenário central aponta para um aumento de custos anuais de 3.000 milhões de euros.

No caso da União Europeia a 27, os custos poderiam subir entre 1168 milhões de euros e 3564 milhões de euros.

Os Estados Unidos baniram a Huawei do seu país acusando a empresa de espionagem, o que tem sido refutado pela tecnológica.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG