O Jogo ao Vivo

Aviação

Virgin e Rolls-Royce sonham voltar a quebrar a velocidade do som na aviação comercial

Virgin e Rolls-Royce sonham voltar a quebrar a velocidade do som na aviação comercial

A empresa de turismo espacial Virgin Galactic anunciou, esta segunda-feira, uma parceria com a fabricante de motores Rolls-Royce para construir uma aeronave comercial supersónica que poderá vir a superar em três vezes a velocidade do som.

O avião, planeado para voar à velocidade de Mach 3, superaria o Mach 2 que alcançou o Concorde, a aeronave de passageiros pioneira dos voos comerciais supersónicos, em operação entre 1976 e 2003.

Para um novo avião de passageiros que rompe a barreira do som, o desafio está em resolver os problemas que levaram à destruição do Concorde, em particular o barulho gerado pelos motores e o alto consumo de combustível.

"Estamos empolgados (...) em revelar este conceito de design inicial de uma aeronave de alta velocidade, que visualizamos como a união de uma viagem comercial segura e confiável com uma experiência inigualável para os clientes", disse George Whitesides, chefe espacial da Virgin Galactic.

Imagens computadorizadas do avião mostram uma aeronave com uma "asa delta" triangular, que pode transportar entre nove e 19 passageiros a uma altitude superior a 60 mil pés, ou 18 mil metros - cerca do dobro do voo comercial normal. Para a operação comercial ser exequível, o avião terá de conseguir levantar voo e aterrar nas pistas de aeroporto existentes.

A Virgin Galactic afirma que tem terá de trabalhar "para enfrentar os principais desafios na gestão térmica, manutenção, ruído, emissões, e economia que os voos comerciais de rotina de alta velocidade implicariam".

A empresa assinou um memorando de entendimento não vinculativo com a Rolls-Royce para desenvolver um motor para a aeronave. O principal foco da Virgin Galactic até agora tem sido o seu avião/foguetão, que está a ser desenvolvido para transportar turistas até ao limite do Espaço, que ainda não tem data para arrancar numa operação comercial.

A empresa, que foi cotada em bolsa no ano passado, está a tentar diversificar os seus negócios e em maio anunciou um acordo com a NASA para desenvolver tecnologia de alta velocidade. A NASA também trabalha há décadas num silencioso avião experimental supersónico, o X-59. Um primeiro protótipo está a ser construído pela Lockheed-Martin na Califórnia.

O projeto espera tornar o boom supersónico - a explosão causada por atravessar a barreira do som - quase inaudível no solo.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG