EDP

Ministério Público quer prisão preventiva ou caução para Manuel Pinho

Ministério Público quer prisão preventiva ou caução para Manuel Pinho

O advogado de Manuel Pinho está "convencido" de que o Ministério Público não vai pedir, esta quarta-feira, ao juiz Carlos Alexandre que aplique prisão preventiva ao ex-ministro da Economia (2005-2009) no âmbito do processo das rendas da EDP.

O advogado de Manuel Pinho, Ricardo Sá Fernandes, confirmou aos jornalistas, à saída do Campus de Justiça de Lisboa, que o Ministério Público pediu ao juiz a prisão preventiva de Manuel Pinho, ou em alternativa o pagamento de uma caução, tal como tinha avançado a CNN Portugal.

Sá Fernandes criticou o facto de, estando na sala de audiência apenas o juiz, o procurador e a funcionária, além de advogado e cliente, a informação ter sido divulgada. "É sinal dos tempos maus em que estamos", concluiu, sem querer adiantar como tentou, esta quarta-feira, contrariar a posição do Ministério Público.

Manuel Pinho vai conhecer a decisão do juiz de instrução sobre as medidas de coação às 14.30 horas.

O antigo ministro foi detido na terça-feira, por, no entender do Ministério Público, existir perigo de fuga. Pernoitou nas instalações do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, em Moscavide, Loures, tendo chegado pelas 9.30 horas ao Campus de Justiça de Lisboa, numa carrinha descaracterizada.

Esta quarta-feira deverá ficar a conhecer, tal como a sua mulher, Alexandra Pinho, as medidas de coação aplicadas por Carlos Alexandre, do Tribunal Central de Instrução Criminal.

Em causa está o alegado recebimento por Manuel Pinho de "luvas" milionárias pagas pelo ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), para, enquanto ministro, favorecer os interesses do banco na EDP. A sua mulher é suspeita de ter ajudado o marido a esconder o dinheiro, com recurso a uma offshore. O inquérito foi aberto há cerca de uma década.

PUB

O antigo governante está atualmente sujeito a termo de identidade e residência e, em cima da mesa, poderão estar a obrigatoriedade de Manuel Pinho entregar o passaporte ou uma caução.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG