PSP

Aluna agredida com taser em escola de Beja

JN/Agências

Foto Gonçalo Villaverde / Global Imagens

A PSP de Beja disse ter sido informada sobre uma alegada agressão a uma aluna numa escola local, supostamente atingida por um taser por outro estudante. Está a recolher elementos junto da direção escolar.

"Só hoje é que tivemos conhecimento deste suposto episódio", que se terá passado na terça-feira, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Beja da PSP. "Temos conhecimento do assunto por um e-mail que a associação de pais da escola nos remeteu hoje, por volta das 12 horas, e que reencaminha outro e-mail de um progenitor de uma aluna a transmitir o episódio", indicou a fonte.

Perante esta comunicação, "feita dois dias depois de o alegado episódio ter acontecido, estamos a recolher elementos junto da escola, para ver se é algo e que possamos auxiliar", destacou a fonte policial, frisando, contudo que, até ao momento, a PSP "não recebeu qualquer queixa formal por parte de ninguém".

Na terça-feira, denunciou hoje Margarida Patriarca, presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica 2/3 de Santiago Maior, em Beja, uma aluna terá sido "atingida no corpo" por um taser (arma de eletrochoque) disparado por "outra criança".

"Fomos contactados por e-mail pela encarregada de educação da aluna, que frequenta o 2.º ciclo que nos relatou o que tinha acontecido, que a menina foi atingida pelo disparo do taser no corpo, onde não sei", referiu à Lusa a responsável, indicando ainda que aluna atingida "não necessitou de assistência hospitalar".

A presidente da associação de pais assumiu que, após receber o e-mail do progenitor, "deu de imediato conhecimento do sucedido à PSP, que costuma ter a Escola Segura junto da escola todos os dias, e à Câmara Municipal de Beja", entidade a quem cabe, agora, "contratar o pessoal não docente", com a transferência de competências em matéria de Educação.

"E a câmara até está a fazer um trabalho exímio nesse aspeto, porque cumprimos, pela primeira vez na escola, os rácios que estão previstos" de pessoal auxiliar, disse Margarida Patriarca, defendendo, contudo, que esses mesmos rácios previstos na lei deviam ser revistos: "Quando a lei foi feita os miúdos não levavam 'tasers' para a escola".

Com a denúncia do caso, a Associação de Pais e Encarregados de Educação da EB 2/3 de Santiago Maior, que destacou tratar-se de "uma escola segura e que nunca tinha tido qualquer histórico destes", pretendeu também "condenar" o sucedido e "passar a mensagem de que os pais devem estar sempre atentos, porque são os primeiros responsáveis daquilo que se passa dentro da escola", argumentou.

A Lusa tentou contactar as direções da EB 2/3 de Santiago Maior e do agrupamento escolar a que este estabelecimento de ensino pertence, mas não conseguiu falar com qualquer responsável.

Relacionadas