Porto

Procurador atropelado por condutor sem carta que fugia à polícia

TRA

PSP deteve homem em fuga que atropelou peão|

 foto André Rolo / Global Imagens

 foto André Rolo / Global Imagens

 foto André Rolo / Global Imagens

 foto André Rolo / Global Imagens

O procurador que preside à Assembleia Geral do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, Amaro Neves, foi ontem atropelado por um condutor sem carta que fugia à PSP, na Avenida da Boavista, no Porto. Amaro Neves, que tem 65 anos e se jubilou há meses, foi levado para o Hospital de Santo António, no Porto, em estado grave.

Os factos ocorreram ontem de manhã. O condutor de uma carrinha BMW que seguia na Avenida Dr. Antunes Guimarães, em Aldoar, desrespeitou uma ordem de paragem da PSP e acelerou em direção ao cruzamento da Fonte da Moura. No fim da artéria, entrou na Avenida da Boavista em contramão, no sentido descendente, acabando por embater no peão, que atravessava na passadeira, e num semáforo, que foi derrubado.

"O BMW surgiu da Antunes Guimarães a toda a brida e pareceu querer virar à direita, a entrar na avenida da Boavista. Mas a velocidade era tanta que só conseguiu curvar na outra via, entrando contra a mão", relatou uma testemunha ocular ao JN. "Atropelou logo ali o senhor e derrubou uma placa. O desgraçado do homem foi projetado mais de 30 metros. Quando o olhei estava inerte, parecia morto. Fugi dali porque não era bom de ver".

Ao final da tarde de ontem, Amaro Neves, que tratou de crimes durante quase toda a sua carreira, que terminou como procurador-geral adjunto no Supremo tribunal de Justiça, estava no serviço de Cuidados Intensivos do Santo António.

O condutor, de 22 anos, conseguiu prosseguir com a fuga por mais alguns metros, mas acabaria intercetado pela PSP, que o deteve.

O suspeito já era conhecido da Divisão de Trânsito da PSP do Porto. Trata-se de Paulo Silva, residente no bairro de Francos (Porto). O indivíduo, que circulava numa BMW de que era proprietário, já tem no seu registo criminal duas detenções por conduzir sem carta. Ontem fugiu pelo mesmo motivo, pois continua sem habilitação legal para conduzir. A viatura envolvida no acidente não tem seguro, apurou ainda o JN.

Outra testemunha do acidente protagonizado por Paulo Silva, uma mulher que trabalhava no sexto andar de um edifício naquele cruzamento, conta que "eram cinco carros, descaracterizados, a persegui-lo. Só quando o louco que atropelou o senhor é detido que percebemos que os perseguidores eram polícias", contou.

O condutor é suspeito de crimes de condução perigosa e sem habilitação legal.v

Relacionadas