Investigação

Sem-abrigo queimado no Porto

JN

O local onde o sem-abrigo dormia e foi atacado|

 foto Helena Borges/JN

O local onde o sem-abrigo dormia e foi atacado|

 foto Helena Borges/JN

O local onde o sem-abrigo dormia e foi atacado|

 foto Helena Borges/JN

O local onde o sem-abrigo dormia e foi atacado|

 foto Helena Borges/JN

O local onde o sem-abrigo dormia e foi atacado|

 foto Helena Borges/JN

O local onde o sem-abrigo dormia e foi atacado|

 foto Helena Borges/JN

O local onde o sem-abrigo dormia e foi atacado|

 foto Helena Borges/JN

Um homem sem-abrigo ficou queimado, esta quinta-feira de madrugada, na Rua Barros Lima, junto ao cruzamento com a Avenida Fernão de Magalhães, na cidade do Porto. A vítima foi levada para o hospital já de manhã.

Foi a vítima, com 52 anos, que se dirigiu ao Hospital Joaquim Urbano, onde fazia tratamento de metadona, cerca das 8 horas, dizendo "pegaram-me fogo" e pedindo roupa para substituir a que havia sido queimada. Foi só quando virou costas e começou a descer que funcionários do hospital lhe viram a camisola e as costas queimadas, tendo acionado de imediato o INEM e a PSP.

Entretanto, já durante a tarde, a Polícia Judiciária afastou a hipótese de crime e apontou para um cigarro aceso como causa do fogo.

A vítima, que é conhecida como "Gigio", viveu com a mãe, até há cerca de um mês, em Gondomar, mas saiu de casa após uma zanga.

Segundo uma vizinha e alguns utentes do Joaquim urbano, é um homem inofensivo, franzino e de baixa estatura, que não se metia com ninguém e que, nos últimos dias, tem passado as noites à porta de um prédio da Rua Barros Lima, bem perto do hospital. A PSP do Porto confirma o incidente.

Pelas 10 horas desta quinta-feira, agentes da PSP vigiavam o local onde tudo aconteceu, para preservação e análise dos indícios do crime, que há de ser feita pela Polícia Judiciária.

No chão, havia vestígios do fogo, nomeadamente o que resta de um casaco queimado.

Relacionadas