Lisboa

Irmãos de bebé que morreu esquecida no carro entregues à família

Alexandre Panda

Horácio Martinho, 79 anos, é porteiro do prédio em frente mas não viu a criança no carro

Foto André Luís Alves / Global Imagens

Os dois irmãos da bebé de dois anos que morreu na quinta-feira, esquecida pela mãe durante sete horas num carro, no centro de Lisboa, foram entregues a familiares e estão a ser acompanhados pela Segurança Social.

Os pais ainda se encontram em estado de choque, sob forte medicação e impossibilitados de tomar conta das crianças.

A entrega das duas crianças aconteceu logo no dia da tragédia, no sentido de "as proteger". Depois do óbito da menina de dois anos ter sido confirmado no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, os pais receberam apoio psicológico e tiveram de ser medicados para enfrentar o terrível sofrimento.

Interrogados em breve

O estado em que se encontram os progenitores não permitiu, ainda, a sua inquirição por parte dos inspetores da Polícia Judiciária, que investiga as circunstâncias da morte. Tudo indica que se tenha tratado de um caso de negligência, provocado por um extremo cansaço da mãe, em consequência de uma agenda sobrecarregada, em teletrabalho.

A mulher, de 40 anos, funcionária na área dos seguros, tinha reuniões e serviços online marcados logo pela manhã de quinta-feira. O marido, que também estava em teletrabalho, levou o filho mais velho à escola. A mãe ficou de levar os dois mais novos, mas apenas deixou o do meio no colégio, esquecendo-se da bebé. Regressou a casa e só depois das 16 horas é que a mulher se apercebeu.

Terá sido alguém da creche a ligar a perguntar porque é que a menina não tinha sido ali deixada. Os pais foram logo ao carro e seguiram-se gritos de desespero, mas já nada havia a fazer. A criança, que deve ser esta segunda-feira autopsiada, terá sido vítima de desidratação, devido ao calor, e de falência multiorgânica.