Sintra

Mãe nega gravidez, mas avô confessa ter posto bebé no lixo

Roberto Bessa Moreira

Lisboa, 27/06/2022 - Mãe dá á luz e deixa criança no lixo. (Leonardo Negrão/Global Imagens)

Foto Leonardo Negrão/global Imagens

A mãe do bebé encontrado num caixote do lixo, no Casal da Barôta, em Belas, Sintra, na noite de domingo, negou sempre que estivesse grávida. Mas o pai acabou por confessar que, depois da jovem, de 22 anos, ter dado à luz na residência da família, foi ele quem pôs a criança no caixote do lixo. A criança foi alvo de tentativas de reanimação, mas o óbito foi declarado no local.

Foi, aliás, a família que pediu ajuda aos bombeiros quando a parturiente já estava em choque na sequência do muito sangue perdido no parto. "Fomos acionados, pelas 20.15 horas, para um caso de uma jovem envolvida num quadro de vómito de sangue", recorda o adjunto do comando, Nuno Paulino.

Porém, quando os bombeiros chegaram ao local encontraram um cenário diferente. A rapariga estava deitada na cama, com uma hemorragia vaginal e acompanhada pelos pais. O chão do corredor de acesso à casa de banho do apartamento estava coberto de sangue e a equipa da viatura médica de emergência e reanimação do Hospital São Francisco Xavier logo desconfiou de um aborto espontâneo que, no entanto, a jovem negou sempre. "Em momento algum vimos um bebé na casa. Mas no hospital foi confirmada uma gravidez de termo", refere Nuno Paulino.

Pai confessa crime

O diagnóstico levou a que a PSP fosse alertada e foram os polícias que encontraram, já perto das 23.30 horas, o bebé no interior de um caixote do lixo, existente na rua Luísa Gusmão, perto da casa da jovem assistida pelos bombeiros horas antes. A criança estava embrulhada em toalhas ensanguentadas e já sem sinais vitais.

"À nossa chegada encontrámos um agente da PSP a efetuar manobras de reanimação ao bebé, mas a equipa médica da VMER declarou o óbito pouco depois", esclarece o adjunto do comando dos Bombeiros de Belas. Nuno Paulino confirma que este bebé tinha nascido apenas "há umas horas" e que terá morrido por falta de assistência. "O cordão umbilical foi cortado, mas não foi selado. E isso poderá ter provocado uma paragem cardiorrespiratória", explica.

Nuno Paulino revela ainda que, já com bombeiros e equipa médica no local, o pai da jovem assistida horas antes na mesma rua confessou que a filha tinha dado à luz e que tinha sido ele a pôr o bebé no caixote do lixo. Não explicou, na ocasião, os motivos para o ter feito e a Polícia Judiciária está a investigar.

Relacionadas