Viana do Alentejo

Mulher assassinada quando tentava defender pais de assalto

Ana Luísa Delgado

Casa onde morava a vitima

Foto Ana Luísa Delgado/global Imagens

Uma mulher de 57 anos foi assassinada, esta madrugada, em Alcáçovas, Viana do Alentejo, quando tentava defender os pais de um assalto. O corpo foi enviado para o Instituto de Medicina Legal do Hospital do Espírito Santo de Évora.

Ao que o JN conseguiu apurar, a vítima, de seu nome Ana Maria Sim-Sim, vivia com os pais, Gregório Sim-Sim, de 87 anos, e Maria Augusta Martins, de 85 anos, tendo surpreendido os assaltantes, que "estariam de cara tapada", segundo uma vizinha.

Segundo Maria Joaquina Sim-Sim, comerciante com uma mercearia perto da casa da vítima, Ana Maria e Maria Augusta tratavam de Gregório, que se encontrava acamado".

"Uma vizinha que esteve dentro da casa disse que esta está toda revirada. Os assaltantes devem ter matado a Ana Maria, com medo de serem reconhecidos", frisou.

Questionada se a falta de militares da Guarda Nacional Republicana, nas Alcáçovas, depois das 17 horas, fez aumentar o número de assaltos, na localidade, Maria Joaquina disse que sim. "Hoje em particular estou com medo".

De acordo com José Grosso, residente no número 33 da Rua Nova, a mesma onde morava a vítima, as pessoas que assaltaram a casa "sabiam o que lá se encontrava'. Pelo menos a pessoa que deu a informação do que lá estava, é das Alcáçovas".

Na opinião deste popular, desde que o posto passou a encerrar às 17 horas, "houve um aumento dos assaltos e quem dá as informações aos assaltantes é alguém que mora na freguesia".

Segundo José Grosso, quer Gregório, quer Maria e Ana Maria "são pessoas muito reservadas. Ele fazia chocalhos que vendia nas feiras, antes de ficar acamado, enquanto a filha e a mulher são donas de casa".

O pai e a mãe de Ana Maria Sim-Sim foram transportados para o Hospital do Espírito Santo de Évora.

Visto tratar-se de um homicídio, o caso foi entregue à Polícia Judiciária.