Investigação

Rede internacional de carteiristas desmantelada em Lisboa pela PSP

Reis Pinto

Polícia deteve três carteiristas que faziam parte de rede internacional

Foto Arquivo

A PSP, através da Divisão de Investigação Criminal, deteve em Lisboa três homens, oriundos do leste da Europa, por serem suspeitos da prática de 25 furtos qualificados (carteirismo) e 30 utilizações indevidas de cartão bancário, num total de 55 crimes cometidos em território nacional.

Segundo refere a PSP, em comunicado divulgado esta quinta-feira, o gangue andava a ser investigado desde 2020, "altura em que os Polícias se aperceberam que os furtos de carteira em estações ferroviárias, estavam a aumentar a nível nacional, furtos estes associados a levantamentos de dinheiro e pagamentos feitos com os cartões bancários provenientes desses furtos sem, naturalmente, consentimento das vítimas".

A Polícia destaca a mobilidade do grupo, que começou a atuar no nosso país em 2018 e 2019, apenas com uma visita, passando a duas incursões em 2020. Em 2021 "passaram a visitar o nosso país de forma mais regular, visitas essas que eram feitas por curtos períodos de tempo".

"A maioria das vezes, estas visitas a território nacional eram feitas durante um fim de semana, e eram sem respeitar um padrão ou modo específico de agendamento, dificultando assim a delineação do modo de atuar do grupo", explicou a PSP.

A forma errática como os carteiristas atuavam dificultou a investigação, mas o trabalho da Investigação Criminal " permitiu antever e detetar potencial presença destes indivíduos na cidade de Lisboa".

A Equipa da Divisão de Investigação Criminal "especialmente criada para estes fenómenos itinerantes", iniciou uma operação visando o reforço do controlo e vigilância nas estações ferroviárias de Lisboa, através da distribuição de vários polícias especializados neste tipo de crime, que culminou, no dia 20 de maio, com a detenção dos três carteiristas, com idades compreendidas entre os 47 e os 52 anos, na estação ferroviária do Oriente, enquanto tentavam efetuar um furto, durante a entrada de vários passageiros num comboio.

Na manhã desse mesmo dia 20 de maio já haviam assaltado uma mulher naquela estação e usado os seus cartões bancários.

A informação recolhida pela PSP ao longo dos dois anos de investigação permitiu indiciar o grupo em 25 furtos de carteira e 30 utilizações indevidas de cartão bancário (levantamentos de dinheiro e pagamentos com os cartões furtados) sendo que, com estes furtos e utilizações indevidas causaram um prejuízo total às vítimas de 41 775 euros.

A PSP contou com a colaboração do Gabinete de Segurança da CP (Comboios de Portugal).

Com estas três detenções, após emissão de competentes mandados de detenção fora de flagrante delito "a PSP desmantelou um grupo que estava ativo a nível europeu e que fazia de Portugal um dos seus locais de atividade criminal".

O Juiz de Instrução Criminal de Lisboa, a quem os três detidos foram presentes para primeiro interrogatório, decretou que ficassem todos a aguardar julgamento em prisão preventiva.