Operação Norte Tropical

Tenente da Polícia Militar brasileira detido em Portugal

Roberto Bessa Moreira

PJ deteve oficial brasileiro suspeito de integrar organização dedicada ao tráfico de cocaína

Foto Jorge Firmino /arquivo Global Imagens

Oficial é suspeito de integrar organização dedicada ao tráfico de cocaína entre o Brasil e a Europa. Autoridades brasileiras estão a acompanhar o caso

Um dos dois brasileiros detidos durante a operação "Norte Tropical", levada a cabo pela Polícia Judiciária na semana passada, é um tenente da Polícia Militar brasileira. A notícia foi avançada pela imprensa brasileira e confirmada pela Polícia Militar do Pará, que garantiu estar a acompanhar o caso.

Durante a operação "Norte Tropical", foram apreendidos 300 quilos de droga escondidos em caixas de açaí congelado transportadas, de barco, entre o Brasil e Portugal. Tal como o JN avançou na ocasião, a droga entrou no país pelo porto de Sines, mas só foi apreendida num armazém de Ourém, usado pela rede no negócio criado para esconder o tráfico de cocaína.

A Polícia Judiciária deteve, então, dois brasileiros, sendo que um deles era um tenente da Polícia Militar brasileira ainda no ativo. Em comunicado, a própria Polícia Militar referiu que a "Corregedoria Geral vai acompanhar as investigações dos órgãos competentes e adotará as medidas necessárias que o caso requer". "A Polícia Militar reitera, ainda, que não compactua com nenhum desvio de ética de quaisquer dos seus integrantes", lê-se, igualmente, no comunicado.

Negócio de fachada

O tenente detido é suspeito de, juntamente com um empresário brasileiro, ter criado, em Portugal, uma empresa com o intuito de esconder o tráfico de cocaína. Os narcotraficantes rumaram, no final do ano passado, a Portugal para criar um negócio de importação de açaí, uma fruta exótica do Brasil. Trataram da burocracia, arranjaram uma sede e compraram um armazém em Ourém. Tudo para dar uma aparência de legalidade a um negócio que era apenas uma forma de dissimular o tráfico de cocaína.

Logo no primeiro carregamento de açaí que transportaram, de navio, do Brasil para Portugal, a dupla escondeu 300 quilos de droga, destinados a abastecer vários países europeus