Matosinhos

Uma história de violência que termina em homicídio. Mulher matou companheiro em Matosinhos

Reis Pinto e Roberto Bessa Moreira

Crime ocorreu este domingo à noite

Foto Reis Pinto / Jn

Polícia foi chamada várias vezes a Matosinhos devido a episódios de violência doméstica. Consumo excessivo de álcool dos dois elementos do casal estará na origem dos conflitos.

Não foi a primeira vez que se registaram episódios de violência entre o casal de Matosinhos que, na noite deste domingo, esteve envolvido na tragédia que culminou com a morte, à facada, de Manuel Ribeiro, de 45 anos.

Segundo o JN apurou, desde o ano passado que a PSP registou várias queixas de violência doméstica feitas a partir do número 29 da rua das Austrálias, nas imediações do bairro Cruz de Pau. Umas vezes, a denúncia partia do homem, noutras ocasiões era a mulher quem garantia ter sido agredida.

Certo é que em quase todas as situações foi sinalizado um consumo excessivo de álcool dos dois elementos do casal. Ainda neste domingo, Sandra Ribeiro, de 42 anos, estaria alcoolizada quando confessou às autoridades o homicídio do companheiro.

Também os vizinhos disseram ao JN que seria o consumo abusivo de álcool a provocar as frequentes discussões ocorridas entre o casal em união de facto. As mesmas fontes contaram ainda que Manuel e Sandra foram vistos a passear, na companhia do filho da mulher, de dez anos, na tarde de domingo, junto à sua residência. Não discutiram e o ambiente manteve-se tranquilo quando Manuel regressou à habitação e Sandra foi deixar a criança em casa de uns amigos.

Confessa crime a grupo de crianças

Crime ocorreu este domingo à noite

Foto: Reis Pinto / JN

O problema surgiu pelas 22.30 horas. Sandra chegou a casa e não evitou o início de uma discussão com o companheiro que a esperava. Por motivos ainda desconhecidos, o conflito agravou-se ao ponto da mulher ter atingido a cabeça de Manuel Ribeiro com um vaso e, já com este no chão, o ter esfaqueado em várias partes do corpo. Com a vítima inanimada, Sandra arrastou o corpo do companheiro até à casa de banho, mas não conseguiu, como era sua intenção, colocá-lo na banheira.

Acabaria por telefonar para os Bombeiros de Leixões a pedir ajuda e a confessar o homicídio. Depois, desceu as escadas até à rua, caminhou um pouco e contou a um grupo de crianças que por ali brincava o crime que tinha cometido.

Seria, finalmente, detida pela PSP, na rua Guilherme Felgueiras, que fica a uma curta distância do prédio onde reside. Aos polícias que a abordaram, e com um discurso errático e confuso, voltou a admitir o esfaqueamento.

O corpo de Manuel Ribeiro só seria retirado de casa durante a madrugada, numa altura em que a Polícia Judiciária já estava no local a realizar perícias. Os inspetores estão, agora, a investigar as circunstâncias em que decorreu o homicídio.