Julgamento

Aníbal Pinto: "Eu não via jogos de futebol porque preferia ver o Panda com o meu neto"

Aníbal Pinto: "Eu não via jogos de futebol porque preferia ver o Panda com o meu neto"

Aníbal Pinto, o advogado acusado em 2015 de ter intermediado uma tentativa de extorsão de Rui Pinto à Doyen, afirmou esta sexta-feira em tribunal que, nessa altura, nem sabia o que era aquele fundo de investimento

Atualmente colaborador desportivo, Aníbal Pinto garante que, antes de assumir essa posição, em 2019, "não via jogos de futebol" "preferia ver o Panda [canal de televisão infantil] com o meu neto", assegurou, num interrogatório em que o coletivo de juízes expressou, várias vezes, as suas dúvidas perante o desconhecimento revelado pelo arguido.

O advogado contrariou ainda a versão do Ministério Público de que o encontro numa bomba de gasolina da A5, em Oeiras, com Nélio Lucas e Pedro Henriques serviria para arranjar uma forma de concretizar a extorsão. "Eu disse: estou aqui para negociar um contrato de prestação de serviços", reiterou.

O arguido apoiou a sua versão dos acontecimentos em e-mails, SMS e transcrições de escutas que não constam da acusação do Ministério Público (MP) e que serão agora juntas, em parte, ao processo.

Em tribunal, Aníbal Pinto afirmou ainda que avisou Rui Pinto de que, se houvesse extorsão, poderia ser condenado a 15 anos de prisão, aconselhando-o a desistir expressamente e por escrito da intenção de obter dinheiro a troco de não divulgar documentação relacionada com a Doyen no Football Leaks. A recomendação foi aceite pelo hacker, autointitulado denunciante.

O julgamento prossegue a 15 de setembro, com as respostas de Aníbal Pinto às perguntas da procuradora do MP e dos advogados. A sessão decorre a partir das 9.30 horas, no Tribunal Central Criminal de Lisboa.

PUB

O arguido está acusado de um crime de extorsão na forma tentada, em coautoria com Rui Pinto. Este está, por sua vez, acusado da prática de mais 89 ilícitos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG