O Jogo ao Vivo

Tribunal

Assaltante proibido de frequentar cidade do Porto

Assaltante proibido de frequentar cidade do Porto

Um juiz do Tribunal de Santa Maria da Feira proibiu, na tarde desta quinta-feira, um indivíduo de 45 anos, condenado pela prática de vários crimes de furto em instituições, de frequentar a cidade do Porto durante três anos.

O homem foi, ainda, condenado a sete anos de prisão pela prática dos crimes de furto de que estava acusado.

O coletivo deu como provados vários crimes de furto que ocorreram nos distritos de Aveiro e Porto, no ano de 2020, em associações e instituições como o Centro Social de Aguada de Baixo, o Sporting Clube de Coimbrões, em Gaia, a Casa da Juventude de Guilhabreu, em Vila do Conde, a Associação Pelo Prazer de Viver e a Juventude Atlética Mozelense, ambas na Feira.

Pelos crimes de furto e um de falsificação foi condenado no cúmulo jurídico de sete anos de prisão.

O arguido estava também acusado de um crime de tráfico de droga e é toxicodependente. Mas tendo em conta a quantidade referida no processo, o juiz considerou que não se tratava do crime de tráfico, ilibando por esse motivo o arguido.

Contudo, foi aplicada uma contraordenação pela posse da droga que o juiz transformou em proibição de frequentar a cidade do Porto durante três anos, para tentar evitar que compre drogas.

"O Porto é o grande fornecedor de droga aqui na região", justificou o juiz, desta forma, a proibição do homem em se deslocar ao Porto no período referido.

PUB

Em relação ao cúmulo jurídico que ditou a pena dos sete anos pelos crimes de furto, considerou que foi "bastante benevolente", lembrando que o arguido tem ainda um longo período para passar na prisão, já que tem outras condenações cujo cúmulo de penas estará pendente.

O homem fica em prisão preventiva até a pena ter transitado em julgado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG