Football Leaks

Ataque de Rui Pinto ao Sporting só terminou com bloqueio dos endereços de IP da Hungria

Ataque de Rui Pinto ao Sporting só terminou com bloqueio dos endereços de IP da Hungria

Só mais de dois meses depois de Rui Pinto ter, alegadamente, começado a invadir o sistema informático do Sporting é que o clube leonino conseguiu travar os ataques do hacker. Para tal, teve de "barrar" o acesso de todos os endereços de IP da Hungria, adiantou esta quarta-feira, em tribunal, José Amador.

Desde 4 de setembro de 2020 que Rui Pinto, de 31 anos, está a ser julgado em Lisboa por um total de 90 crimes, entre os quais um de sabotagem informática pelo ataque ao Sporting, em 2015. O gaiense terá ainda acedido à caixa de correio eletrónico de vários elementos dos Leões, incluindo Bruno de Carvalho, à data presidente do clube.

De acordo com José Amador, inquirido como testemunha pela terceira sessão consecutiva, o arguido terá, além de ter acedido aos e-mails, executado diversos comandos que chegaram a deitar o sistema abaixo. O método não foi utilizado em qualquer dos restantes ataques discriminados no inquérito, nomeadamente à Doyen Sports.

"O porquê de isso ter sido feito, não saberia responder", afirmou o inspetor, admitindo que os moldes do ataque poderiam pôr em causa o suposto objetivo do hacker autointulado denunciante de extrair informação do servidor leonino sem ser detetado.

Numa sessão em que a procuradora do Ministério Público (MP) tem tentado, com as suas perguntas, associar os ataques descritos no processo e os documentos divulgados na plataforma Football Leaks aos IP dos aparelhos que seriam utilizados por Rui Pinto - dois dos quais húngaros -, Amador enumerou ainda o modo como o gaiense terá conseguido invadir o sistema da Doyen Sports.

Entre outras ações, o arguido terá ludibriado, em 2015, o diretor-geral da Doyen Sports, Nélio Lucas, com um e-mail - aparente mas falsamente proveniente de Antero Henrique, ex-dirigente do F. C. Porto - para descarregar ficheiros, de modo a ter acesso às suas credenciais. Lucas apresentaria posteriormente queixa contra Rui Pinto por tentativa de extorsão, crime pelo qual o hacker está igualmente a ser julgado neste processo, em coautoria com o advogado Aníbal Pinto.

PUB

Esta quarta-feira, o inspetor confirmou, no essencial, a versão que consta da acusação do MP, na qual é reproduzido um e-mail do arguido a propor, sob o pseudónimo de Artem Lubozov, que o dirigente da Doyen pague entre 500 mil e um milhão de euros para que deixasse de ser publicada no Football Leaks documentação relacionada com o fundo.

Segundo Amador - que fez o levantamento de todas as publicações na plataforma -, houve efetivamente uma paragem das publicações durante as negociações, mas quando o "entendimento falhou" os ficheiros entretanto desaparecidos foram "restaurados". "Há um processo de aceleração da divulgação", afirmou.

A inquirição continua esta quarta-feira à tarde.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG