Barcelos

Mulher que se atirou ao rio já tentara matar-se com os dois filhos

Mulher que se atirou ao rio já tentara matar-se com os dois filhos

Mulher desesperada já tinha tentado pôr termo à vida uma semana antes, noutra ponte e com os dois filhos mas foi travada.

À segunda tentativa no espaço de uma semana, Susana Maria Pereira, de 37 anos, residente no Bairro João Duarte, atirou-se da ponte de Santa Eugénia para o rio Cávado, em Barcelos, com o filho mais velho, de seis anos, ao colo, cerca das 13 horas de sexta-feira.

Automobilistas ainda tentaram impedi-la, mas Susana estava disposta a pôr termo à vida, aparentemente para se vingar do marido por causa de uma alegada traição, levando-lhe o filho, Carlos, nome que herdou do pai e do avô paterno.

A mulher foi resgatada, inconsciente mas viva, por um pescador, e levada para o Hospital de Braga, onde se encontra em estado grave mas livre de perigo.

Amigos da mulher justificam este ato desesperado com uma eventual traição do marido. "A Susana já tinha tentado pôr termo à vida há uma semana. Quis atirar-se da ponte Medieval (centro de Barcelos), mas foi travada por populares", desabafa uma amiga. Na primeira tentativa, Susana estava acompanhada pelo pequeno Carlos e pelo filho mais novo, de dois anos.

Pai teve de ser assistido

PUB

"Ela disse que se pusesse termo à vida levaria o Carlitos (o filho mais velho) com ela, porque ele não sobreviveria sem ela, nem ela sem ele", contou a mesma amiga que, durante a madrugada de ontem, tinha recebido uma mensagem de Susana a despedir-se. Para a família deixara uma carta a explicar tudo e que já se encontra na posse da Polícia Judiciária de Braga.

O pai e marido, transtornado e acompanhado por familiares e amigos, rapidamente chegou ao local, de onde saiu pouco depois para ser levado para o quartel dos Bombeiros de Barcelos, onde recebeu apoio psicológico. Quem também precisou de apoio foi um dos primeiros bombeiros a chegar ao local. "No meio da emoção, dizia que lhe pareceu ter visto a criança a esbracejar, mas com o sol e os jacintos do rio, ele próprio já tinha dúvidas", disse o chefe dos mergulhadores, Armando Carvalho.

A PJ está a investigar o caso e, a confirmar-se a morte da criança, a mãe pode ser acusada de homicídio. A Procuradoria-Geral Distrital do Porto já anunciou ter aberto um inquérito e que, "relativamente à criança que se encontra desaparecida (...) não está pendente ou arquivado processo de natureza tutelar cível ou de promoção e proteção, quer no tribunal, quer na CPCJ da área da sua residência"

Depois do alerta, mergulhadores de Barcelos e Barcelinhos iniciaram as buscas junto à ponte e depois em áreas mais distantes. "Há zonas com metros de profundidade", acrescentou Armando Carvalho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG