Investigação

Autoridades ainda procuram o pai do bebé deitado ao lixo

Autoridades ainda procuram o pai do bebé deitado ao lixo

Três meses após o nascimento do bebé abandonado pela mãe num ecoponto atrás da discoteca Lux, em Santa Apolónia, Lisboa, as autoridades portuguesas continuam a ampliar esforços para localizar o pai da criança - e prolongam a investigação.

O JN sabe que os inspetores da Polícia Judiciária (PJ) pretendem identificar o progenitor, que será de ascendência africana e cujo nome não foi revelado pela mãe. A mulher, aliás, já assumiu não saber quem é o pai, invocando na altura dos factos - teve o parto sozinha na rua na madrugada de 5 de novembro, largando-o de seguida no caixote do lixo - a sua condição de prostituta e de sem-abrigo.

A PJ está a realizar mais diligências para apurar todo o circunstancialismo em que ocorreu o parto, e, sobretudo, o período anterior de gravidez - a mãe do menino, Sara Furtado, 22 anos, de nacionalidade cabo-verdiana, ocultou a gravidez de toda a gente com quem se relacionava. A recolha de vestígios efetuada na roupa da mulher, assim como na tenda onde pernoitava, a 500 metros da Lux, confirmam que teve o bebé na rua.

Ler mais na edição impressa ou na versão e-paper

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG