Ataque Academia de Alcochete

Bruno perguntou quem estava com ele "acontecesse o que acontecesse"

Bruno perguntou quem estava com ele "acontecesse o que acontecesse"

O antigo coordenador de segurança da Academia de Alcochete disse esta segunda-feira que o ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho reuniu com o 'staff' um dia antes do ataque, perguntando "se estavam com ele, acontecesse o que acontecesse".

A revelação foi feita por Ricardo Gonçalves, à data dos factos coordenador de segurança e operações da Academia de Alcochete, na sétima sessão do julgamento da invasão à academia, em 15 de maio de 2018, que decorre no Tribunal de Monsanto, em Lisboa.

A testemunha relatou que o antigo presidente do clube, um dos 44 arguidos no processo e que hoje marca presença no tribunal, reuniu em 14 de maio de 2018, na academia de Alcochete, com elementos do 'staff' de apoio à equipa principal do Sporting, após o jogo na Madeira, com o Marítimo, que a equipa 'leonina' perdeu por 2-1, falhando a possibilidade de se qualificar para a Liga dos Campeões.

"[Nessa reunião] questionou os presentes se estariam com ele, acontecesse o que acontecesse. A equipa estava a atravessar um mau momento, pois perdemos com o Marítimo, o que nos impediu de seguir na Liga dos Campeões. Disse [Bruno de Carvalho] que tínhamos muito trabalho pela frente, um título ainda para vencer [Taça de Portugal] e, naquela reunião, quis saber quem estava com ele, acontecesse o que acontecesse. Quem não estivesse, que saísse", explicou Ricardo Gonçalves.

Já no final da sessão da manhã, Miguel Fonseca, advogado de Bruno de Carvalho, pediu ao coletivo de juízes a nulidade desta parte do depoimento de Ricardo Gonçalves, sustentado tratar-se de "conversas privadas", que não têm interesse para o processo. O coletivo de juízes terá agora de decidir sobre este requerimento.

À saída do Tribunal de Monsanto, Bruno de Carvalho não prestou declarações aos jornalistas.

Ricardo Gonçalves relatou ainda uma outra reunião, ocorrida em 7 de abril de 2018, só com o plantel, dois dias após uma derrota com o Atlético de Madrid, e o 'post' publicado na rede social Facebook pelo antigo presidente do clube, a criticar os jogadores.

A testemunha explicou que os elementos do 'staff' não participaram nessa reunião, ficando do lado de fora do auditório, mas que foi possível ouvir "discussão, pois os ânimos exaltaram-se e as vozes aumentaram".

Ricardo Gonçalves disse ter ouvido Bruno de Carvalho a chamar o guarda-redes Rui Patrício de "ingrato, armado em diva, vedeta e mimado". A testemunha afirmou que ouviu igualmente o jogador William Carvalho a acusar Bruno de Carvalho de ter telefonado a Nuno Mendes 'Mustafá', líder da claque Juventude Leonina, para "ameaçar e agredir os jogadores", ao que o antigo presidente do Sporting respondeu que "não fez nada disso" e que ia telefonar a 'Mustafá'.

"Estava a ficar constrangido ao ouvir tudo aquilo e afastei-me", referiu o antigo coordenador de segurança e operações da academia de Alcochete, que continua a ser inquirido da parte da tarde.

Não houve problemas com as imagens

O antigo coordenador de segurança da Academia de Alcochete explicou esta segunda-feira que "não houve qualquer problema com as imagens" de videovigilância do dia do ataque, mas apenas um problema técnico que impediu, naquele momento, a sua visualização.

O que aconteceu, explicou, foi que, nesse dia, um problema técnico, originado pela ativação do alarme de incêndio durante a invasão, fez com que houvesse uma "falha de comunicação entre os servidores e a máquina" em que se visualizam as imagens.

"As imagens estavam lá, só não conseguimos visualizar", naquele momento, esclareceu.