Operação

Buscas da "Fora de Jogo" terminaram de madrugada

Buscas da "Fora de Jogo" terminaram de madrugada

As buscas da "Operação Fora de Jogo II", que ontem se centraram na SAD do Braga e do Vitória SC, em Guimarães, assim como nos escritórios da Gestifute e do empresário Deco terminaram já de madrugada.

As buscas visaram recolher documentação sobre alegados negócios simulados, celebrados entre clubes de futebol, agentes e futebolistas, suspeitos de terem montado um esquema para ocultar rendimentos e assim fugir à retenção na fonte e outros impostos.

De acordo com informações recolhidas pelo JN, as buscas só terminaram cerca das 2 horas e a informação que foi ontem apreendida levou à realização de nova recolha de prova, já está quinta-feira, na zona de Lisboa. O Departamento Central de Investigação e Ação Penal auxiliado pela Autoridade Tributária estão a realizar buscas num escritório, onde está prevista a apreensão de documentos ligados a negócios do futebol.

Já as diligência de ontem visaram essencialmente recolher documentação sobre os contratos de três jogadores. Além de Raphinha, agenciado por Deco, estão também os negócios de Loum e Galeno. Em causa estão crimes de fraude fiscal, fraude à segurança social e branqueamento de capitais.

A par do principal suspeito, o superagente Jorge Mendes, também foram buscados Miguel Pinto Lisboa, presidente do Vitória, e Carlos Freitas, ex-diretor-geral de Futebol do clube. Também foram buscados os escritórios do empresário Bruno Macedo, arguido no processo "Cartão Vermelho" em que Luís Filipe Vieira foi detido. Macedo também é visado no caso que levou à realização, no início desta semana, de buscas no Estádio do Dragão e na casa de Pinto da Costa.

A investigação acredita terem existido negócios simulados, celebrados entre clubes de futebol e agentes, "que tiveram em vista a ocultação de rendimentos do trabalho dependente, sujeitos a declaração e a retenção na fonte, em sede de IRS, envolvendo jogadores de futebol profissional", esclareceu o DCIAP.

A mega-operação "Fora de Jogo", que engloba diversos inquéritos sobre crimes fiscais nos negócios de futebol envolvendo 500 milhões de euros em transferências, comissões, contratos de trabalho e prémios a investigação, já conta com 134 arguidos.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG