O Jogo ao Vivo

Instrução

Cenário de recurso atira julgamento da Operação Marquês para 2022

Cenário de recurso atira julgamento da Operação Marquês para 2022

Presidente do Supremo admite que decisão de Ivo Rosa é apenas etapa de processo longo. Ministério Público irá recorrer, caso decisão instrutória não respeite acusação.

O juiz Ivo Rosa anuncia hoje se os arguidos da Operação Marquês vão a julgamento e por que crimes irão responder. Mas é pouco provável que, a serem pronunciados, José Sócrates e os restantes 27 acusados se sentem este ano no banco dos réus. Tudo indica que o juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) não irá seguir a acusação nos exatos termos em que foi deduzida pelo Ministério Público (MP). Forçosamente, a equipa de procuradores liderada por Rosário Teixeira irá, assim, recorrer para o Tribunal da Relação, atirando o arranque do julgamento para, no mínimo, 2022. O próprio presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Joaquim Piçarra, veio a público admitir que a decisão de Ivo Rosa é apenas uma fase de um processo que, prevê, vai arrastar-se ao longo de anos. Ontem, Sócrates ainda não decidira se iria assistir à leitura.

É opinião de todos e fundamenta-se em vários despachos assinados por Ivo Rosa ao longo da instrução. Em fevereiro de 2020, por exemplo, o juiz do TCIC demonstrou interesse em aumentar o número de crimes de fraude fiscal imputados a José Sócrates e ao empresário tido como seu testa de ferro, Carlos Santos Silva. No despacho, Ivo Rosa escreveu que "o enquadramento jurídico feito pelo MP quanto aos crimes fiscais está incorreto e é inconsistente". Também os vários recursos que o MP foi submetendo à Relação para contestar decisões do juiz quanto à valoração de provas vão no mesmo sentido.

Estes sinais demonstram que o juiz não deverá pronunciar os arguidos nos exatos termos da acusação do MP, abrindo a porta a um recurso. Esta leitura generalizou-se nos meios judiciais, ao ponto de o próprio presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) o admitir. "É preciso acentuar que qualquer decisão que surja na próxima sexta-feira [hoje] não é definitiva. É apenas uma etapa de um caminho. E o que interessa é como vai terminar. E isso, infelizmente, temo que demore muitos anos", disse Joaquim Piçarra, numa entrevista à Agência Lusa, criticando a morosidade dos megaprocessos. Questiona também a pertinência do atual modelo desta fase facultativa que é a instrução, destinada apenas a avaliar se existem indícios suficientes para levar os arguidos a julgamento.

Esta fase, requerida por 19 dos 28 arguidos, começou em janeiro de 2019 e terminou, com o debate instrutório, um ano e seis meses depois, a 2 julho de 2020. Desde então, está a ser elaborada a decisão a conhecer hoje.

Prazos excedidos

"Se os arguidos forem pronunciados nos exatos termos da acusação, o MP não pode recorrer. Terá 30 dias para o fazer e depois o Tribunal da Relação tem 30 dias para se pronunciar, mas muito dificilmente isso acontecerá. Se a decisão instrutória levou oito meses a ser elaborada, é expectável que uma decisão da Relação possa demorar o mesmo tempo", explicou ao JN Manuel Simas Santos, juiz conselheiro jubilado do STJ, sublinhando que uma decisão instrutória tem um prazo máximo de quatro meses. Tal como Joaquim Piçarra, também é da opinião de que se deve repensar o modelo instrutório. "É visto como um pré-julgamento, enquanto apenas é destinado a avaliar indícios. Ninguém, no âmbito da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção, pensou nisso e é importante reduzir o tempo de duração dos processos", afirmou Simas Santos.

PUB

José Sócrates foi detido em novembro de 2014 e acusado em outubro de 2017.

A leitura da decisão instrutória da Operação Marquês vai ser transmitida em direto pelo JN, que irá dedicar uma emissão especial, com o presidente do Conselho Regional do Porto da Ordem dos Advogados, Paulo Pimenta, e o ex-presidente da Transparência e Integridade João Paulo Batalha. Ivo Rosa deve começar a ler o resumo da decisão pouco depois das 14 horas. Prevê-se que a comunicação aos arguidos termine cerca de duas horas depois. José Sócrates e os restantes arguidos foram notificados da diligência. No entanto, podem não aparecer. Neste caso, estarão representados pelos seus respetivos advogados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG