Tribunal

Condenados até 16 anos de prisão por matarem dono de café em Almada

Condenados até 16 anos de prisão por matarem dono de café em Almada

O Tribunal de Almada condenou, na quinta-feira, a penas de prisão entre os 13 e os 16 anos quatro assaltantes pela morte do dono de um café em Almada, em junho de 2018.

Os jovens, com idades entre os 17 e 23 anos, residentes no Monte da Caparica, foram condenados por homicídio qualificado e roubos violentos nos concelhos de Almada e Seixal. A vítima mortal, Hermenegildo Varela, proprietário do café Anita, na Cova da Piedade, tentou impedir a fuga dos encapuzados, mas acabou baleado na barriga. A família vai receber 70 mil euros a título de indemnização.

Desde o início de abril desse ano que os quatro arguidos assaltavam cafés, papelarias e bombas de gasolina nos concelhos de Almada e Seixal. No dia do homicídio, a 8 de junho de 2018, pelas 18.45 horas, estavam em busca do dinheiro dos registos do Euromilhões. Estacionaram o Mercedes furtado em que se deslocavam nas imediações do café e quando o condutor, Diogo Costa, se acercou da janela das traseiras do cafée percebeu que não havia Polícia, deu o aval aos outros três para prosseguirem com o assalto.

Ricardo Teixeira, Eduardo Vieira e Fábio Pereira, todos com cerca de 20 anos, entraram no café com a cara tapada e luvas. Ricardo empunhou a arma, pistola calibre 32, e ordenou que o dinheiro fosse entregue. "Não matem ninguém", disse Hermenegildo Varela, 70 anos, que se encontrava numa mesa junto da entrada. Fábio dirigiu-se ao balcão e apropriou-se de 120 euros que estavam na caixa registadora, enquanto Eduardo viu frustrado o assalto à máquina do Euromilhões. Ricardo e Fábio iam sair do café, mas Hermenegildo Varela colocou-se à frente: Ricardo tentou que o homem saísse da frente e ainda disparou contra a parede, mas como o proprietário não se afastou, o arguido disparou contra a barriga da vítima.

Os Bombeiros Voluntários de Cacilhas foram chamados ao local e transportaram a vítima para o Hospital Garcia de Orta, onde viria a sucumbir aos ferimentos durante uma intervenção cirúrgica.

Os três colocaram-se em fuga no Mercedes rumo ao Monte da Caparica, onde as autoridades encontraram o veículo vazio e ainda com o motor quente. Os suspeitos foram detidos em novembro de 2018, numa operação liderada pela Polícia Judiciária de Setúbal com a colaboração da GNR.

O grupo julgado contava ainda com dois outros arguidos, acusados de crimes de furto, roubo e dano, que acabaram por ser absolvidos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG