Exclusivo

Desvia dinheiro na CGD e vai trabalhar para a Câmara de Aljustrel

Desvia dinheiro na CGD e vai trabalhar para a Câmara de Aljustrel

Pena de cinco anos foi suspensa. Autarquia de Aljustrel desconhecia processo e contratou-o para a tesouraria.

Um ex-funcionário da Caixa Geral de Depósitos (CGD) de Cuba, que agora é funcionário da tesouraria da Câmara Municipal de Aljustrel, foi condenado no Tribunal de Beja, em cúmulo jurídico, a uma pena suspensa de cinco anos de prisão por ter desviado mais de 70 mil euros da conta de um cliente do banco. A Autarquia só soube do caso através de uma notícia do JN publicada no dia anterior à sentença, segunda-feira, e suspendeu-o logo, criando uma equipa para passar a pente fino o seu trabalho.

Daniel Sobral, 36 anos, foi condenado por um crime de peculato, dois de falsificação de documento agravada e um de falsidade informática, sendo ilibado da prática de um crime de acesso ilegítimo. O desvio de depósitos foi cometido em 2017 e detetado em 2018, durante uma auditoria interna na Caixa de que resultou o afastamento do funcionário, que seria pouco tempo depois contratado pela Autarquia, em concurso externo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG