Exclusivo Edição Impressa

DIAP investiga ruído dos bares como crime

DIAP investiga ruído dos bares como crime

Ministério Público está a investigar denúncias por causa de barulho da movida do Porto que perturbam sono dos moradores. Há vários casos no país.

As queixas de ruído de Angelina Simões e Joaquim Araújo, moradores na Rua da Conceição, na Baixa do Porto, onde também gerem um alojamento local em que há doentes psiquiátricos hospedados, chegou ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto, que o está a tratar como crime de ofensa à integridade física simples, no qual incorre quem ofender o corpo ou a saúde de outra pessoa. Se no Porto o problema já chegou à justiça, noutros pontos do país ainda não, mas nem por isso deixa de ser uma dor de cabeça para moradores. Lisboa, Braga, Guimarães e Aveiro debatem-se com as mesma queixas.

Leia mais na edição e-paper ou na edição impressa.

Leia a nossa Edição Impressa ou tenha acesso a todo o conteúdo no seu computador, tablet ou smartphone assinando a versão digital aqui