O Jogo ao Vivo

Operação Miríade

Diretor da PSP diz que envolvimento de agente "não mancha" trabalho da polícia

Diretor da PSP diz que envolvimento de agente "não mancha" trabalho da polícia

O diretor nacional da PSP disse esta terça-feira que "não é um motivo de orgulho" para a Polícia o alegado envolvimento de um agente no processo Operação Miríade, mas que este caso "não mancha" o trabalho dos restantes polícias.

"A dar-se como provado, o envolvimento desse polícia nesses factos obviamente que não é um motivo de orgulho para o diretor nacional da PSP e para Polícia de Segurança Pública", disse aos jornalistas Manuel Magina da Silva quando questionado sobre a detenção de um polícia no âmbito da Operação Miríade que investiga suspeitas de tráfico de diamantes envolvendo militares portugueses.

O diretor nacional da Polícia de Segurança Pública afirmou que o agente está atualmente suspenso de funções e foi envolvido "nesse inquérito criminal por factos praticados antes de ser integrado na PSP".

Magina da Silva sublinhou também que a PSP, como todas as instituições, "reflete todas as qualidades e defeitos da sociedade portuguesa" e "de uma maneira geral todas as profissões estão sujeitas a recrutar".

"Infelizmente os maus polícias e os maus cidadãos não veem com um selo na testa e os sistemas de recrutamento não são perfeitos", disse.

Questionado sobre se se sente envergonhado ao ter sido detido um agente da PSP, Magina da Silva respondeu: "Sentia-me envergonhado é se estivesse cá dentro e não o conseguisse agarrar e continuasse a atividade criminosa. Não mancha os restantes polícias que 24 horas por dia fazem o seu melhor".

A Polícia Judiciária (PJ) confirmou a 8 de novembro a execução de 100 mandados de busca e 11 detenções, incluindo de militares e ex-militares, no âmbito da Operação Miríade, na sequência de um inquérito dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa.

PUB

Entre os detidos está um agente da PSP e um guarda em formação na GNR.

Em causa está a investigação a uma rede criminosa com ligações internacionais e que "se dedica a obter proveitos ilícitos através de contrabando de diamantes e ouro, tráfico de estupefacientes, contrafação e passagem de moeda falsa, acessos ilegítimos e burlas informáticas".

Em comunicado, o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) revelou que alguns militares e portugueses em missões na República Centro-Africana podem ter sido utilizados como "correios" no tráfego de diamantes, adiantando que o caso foi reportado em dezembro de 2019.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG