Investigação

Documentos do "Luanda Leaks" encontrados em computadores de Rui Pinto

Documentos do "Luanda Leaks" encontrados em computadores de Rui Pinto

A Polícia Judiciária encontrou no material apreendido a Rui Pinto, atualmente em prisão preventiva à espera de ser julgado por 90 crimes informáticos no âmbito do "Football Leaks", diversos documentos relativos ao caso "Luanda Leaks", que tem como figura central Isabel dos Santos.

Quando foi detido na Hungria em janeiro, as autoridades locais apreenderam diversos computadores e material informático que estava na posse de Rui Pinto. Todo o acervo, que estava encriptado, foi remetido à Polícia Judiciária para que fosse analisado e servir de prova no caso da tentativa de extorsão à empresa de investimentos desportivos Doyen e "espionagem" do Sporting, do próprio Ministério Público e também do escritório de advogados PLMJ.

De acordo com informações recolhidas pelo JN, no meio dos milhões de documentos encontrados, vários diziam respeito aos negócios de Isabel dos Santos. Alguns dos documentos terão sido sacados através da violação do sistema informático do escritório de advogados da PLMJ, pelo qual Rui Pinto foi acusado.

De acordo com o Jornal Público, que garante que a PJ acredita ser Rui Pinto quem forneceu os documentos ao Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (CIJI), "os documentos estavam guardados nos dispositivos de armazenamento de dados - discos rígidos, pens, computadores - que foram apreendidos ao pirata português na Hungria".

Já Sindika Dokolo, marido de Isabel dos Santos, declarou numa entrevista à rádio RFI Afrique estar convicto ser um hacker português na origem das fugas de informação. "Sabíamos que várias das nossas outras empresas já tinham sido alvo de um hacker português, esses documentos foram mantidos e são usados hoje para arrebatar os nossos ativos no exterior. Eles usam a imprensa para manipular opiniões e governos estrangeiros", disse em entrevista.

O CIJI obteve documentos juntos da PPLAAF, uma plataforma de proteção de denunciantes em África, que é presidida por William Bourdon, precisamente um dos advogados de Rui Pinto. Esta ligação reforça a convicção de que o jovem gaiense estará por detrás da obtenção dos documentos que permitiram aos jornalistas investigar.

No entanto, a PJ ainda não foi solicitada para investigar as atividades da filha do antigo presidente de Angola em Portugal, mas o diretor Luís Neves, já veio a público garantir que a instituição está preparada para responder, "a qualquer momento", "a qualquer pedido que formalmente venha a ser materializado, através do Ministério Público e da Procuradoria-Geral da República", relativo ao universo Isabel dos Santos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG