Operação Nicotilla

Encomendavam tabaco pelo Facebook para vender a familiares e amigos

Encomendavam tabaco pelo Facebook para vender a familiares e amigos

Folha de tabaco chegava de Espanha em encomendas postais. Esquema ilegal permitiu ganhos de 500 euros mensais e causou um prejuízo ao Estado, em apenas um ano, de 163 mil euros. Investigação da GNR sustentou operação internacional coordenada pela Europol.

A GNR identificou dezenas de portugueses que, através das redes sociais, compravam folhas de tabaco em Espanha, trituravam-nas e vendiam-nas, embaladas em pequenos sacos ou já na forma de cigarros, a preços muito abaixo dos praticados no mercado.

Um operário de Aveiro chegou a lucrar cerca de 500 euros mensais com o esquema ilegal. A investigação portuguesa permitiu desmantelar uma organização espanhola que, apesar do reduzido número de elementos, vendeu, ilegalmente e sempre com recurso ao Facebook, sete toneladas de folha de tabaco para toda a Europa, em apenas um ano.

O esquema era muito simples. Os portugueses, residentes de norte a sul do país, acediam a uma página de Facebook, encomendavam diferentes quantidades de folha de tabaco e recebiam-nas, no conforto da sua habitação, através de uma encomenda postal entregue por transportadoras internacionais.

Muitos faziam-no apenas para ter tabaco para consumo, mas outros usavam uma pequena máquina artesanal para triturar a folha e, em seguida, embalavam o tabaco em sacas de 500 gramas. Noutros casos, era enrolado já na forma de cigarro. De uma ou de outra forma, o tabaco era, posteriormente, vendido a familiares, amigos e colegas de trabalho a preços muito inferiores aos de mercado.

Estado com prejuízo de 163 mil euros

PUB

Alguns dos vendedores sinalizados pelo Destacamento de Ação Fiscal de Coimbra da GNR encomendaram, ao longo do ano passado, cerca de cem quilos de folha de tabaco por mês e um operário de Aveiro lucrou cerca de 500 euros mensais com o esquema. Apesar das quantias arrecadadas, nenhuma das pessoas identificadas pela GNR fazia desta atividade ilegal o seu modo de vida profissional.

Mesmo assim, as duas toneladas exportadas para Portugal causaram um prejuízo ao Estado de mais de 163 mil euros, 126 mil dos quais em sede de Imposto Especial de Consumo e 37 mil de IVA.

Ao JN, o comandante do Destacamento de Ação Fiscal de Coimbra, major Rui Chantre, explica que a GNR efetuou 27 buscas e constituiu três vendedores como arguidos. A um deles foram apreendidos quase 38 mil euros.

Transportadoras alertaram

O oficial da GNR revela ainda que a investigação portuguesa começou com um alerta das transportadoras que faziam o tabaco chegar a Portugal e conseguiu identificar o principal fornecedor espanhol. A informação enviada para a Guardia Civil foi, aliás, fundamental para perceber que a organização espanhola, "constituída por cerca de uma dezena de pessoas", exportou ilegalmente sete toneladas de folha de tabaco para vários países europeus, em 2021.

Na semana passada, e numa operação coordenada pela Europol, foram detidos cinco espanhóis e apreendidos 2250 quilos de produtos de tabaco.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG