PSP

Enviou para Espanha joias de 124 mil euros roubadas em Lisboa

Enviou para Espanha joias de 124 mil euros roubadas em Lisboa

Um homem de 58 anos é suspeito de se ter deslocado propositadamente a Portugal para assaltar pelo menos uma carrinha de valores na Avenida da Liberdade, em Lisboa.

Foi apanhado pela PSP no aeroporto da capital, já depois de ter alegadamente enviado joias no valor de 124 mil euros para Espanha.

O suspeito, cidadão de fora da União Europeia, ficou em prisão preventiva e os bens foram entretanto recuperados.

"Na sua posse não se encontrava o produto do ilícito, no entanto, ulteriores cuidados de investigação revelaram que o mesmo havia expedido três embalagens, via empresas transportadoras internacionais, todas elas com destino a Espanha - Catalunha. Face à eficácia das diligências policiais, foi possível interromper o referido transporte, obviando a que estas chegassem ao seu destino e aí se perdessem, dificultando em muito a sua recuperação", refere esta segunda-feira, em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP.

Na ocasião foram ainda apreendidos outros bens, cuja proveniência está ainda por apurar.

O furto das joias aconteceu a 21 de novembro na Avenida da Liberdade, em Lisboa, onde funcionam lojas de dezenas de marcas de luxo.

De acordo com o Cometlis, o homem terá aproveitado uma distração do motorista de uma carrinha de valores, que, após estacionar o veículo, se esqueceu de o trancar. O lapso terá permitido ao suspeito aceder, "de forma discreta", ao seu interior, "subtraindo do mesmo uma caixa com dezenas de peças de joalharia no valor de mais de 124 mil euros". De seguida, abandonou o local "numa viatura alugada".

O homem acabou por ser intercetado, ao final da tarde do mesmo dia, junto ao Aeroporto General Humberto Delgado, em Lisboa, quando "se aprontava para abandonar o país". A circunstância "adensou as suspeitas de que se teria deslocado a território nacional com um objetivo bem definido, intuindo-se alguma itinerância e transnacionalidade na atuação criminosa".

"Os investigadores acreditam que o detido já havia cometido outros crimes de igual índole quer em Portugal quer numa série de outros países da União Europeia, pelo que irá encetar todos os esforços no campo da cooperação internacional, a fim de aferir e confirmar a dimensão da atividade criminosa do suspeito, e sua eventual ligação a redes ou organizações internacionais", remata, na nota, o Cometlis.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG