Justiça

Ex-vice de Mesquita preso por corrupção

Ex-vice de Mesquita preso por corrupção

A Polícia Judiciária de Braga prendeu administradores dos Transportes Urbanos de Braga e gestor alemão que pagou "luvas" em troca da aquisição de 40 autocarros MAN.

Por suspeitas de crimes de corrupção na aquisição de cerca de 40 autocarros para os Transportes Urbanos de Braga (TUB), a Polícia Judiciária (PJ) de Braga deteve ontem Vítor Sousa, o ex-braço-direito de Mesquita Machado na câmara, ex-presidente dos TUB e líder do PS local, Cândida Serapicos, ex-administradora daquela empresa local, um diretor dos TUB, um administrador alemão e um representante português dos veículos MAN.

Os administradores alemão e português seriam os autores das ordens de pagamento de "luvas" àqueles gestores públicos, como contrapartida por preferirem a marca alemã.

Iniciada em 2011, a investigação aos TUB incidiu sobre a transação de cerca de 40 autocarros MAN, de automóveis Hyundai e de combustíveis e a venda de sucata. O esquema - denunciado na véspera de eleições no PS/Braga - foi confirmado pelo empresário Abílio Meneses da Costa, representante da MAN e da marca sul-coreana em Braga. Terá envolvido, ainda, dois administradores da MAN-Portugal e o dono de uma empresa de carroçarias de Gaia, suspeito de inflacionar o custo do encarroçamento. Um dossiê entregue à PJ continha cópias de cheques que totalizavam 428 mil euros. Mas noutro ponto referia pagamentos de 748 mil euros, entre 2000 e 2008.

Já Abílio Costa declarou, num processo de insolvência no Tribunal do Comércio de Gaia, que as "comissões" atingiram dois milhões de euros. O empresário não perdoou à MAN-Portugal o corte da representação da marca - que o levaria à insolvência - e, embora o tenha negado ao JN, terá começado a dar indicações à Polícia sobre a possibilidade de corrupção.

No dossiê afirmava-se que Vítor Sousa receberia oito a nove mil euros de "luvas", enquanto Cândida Serapicos se ficava pelos mil ou 1250 euros, por cada autocarro adquirido pelos TUB. Os detidos são suspeitos da prática de crimes de corrupção no comércio internacional e administração danosa.

Agora terminada com a detenção dos principais arguidos, a investigação da PJ foi alargada a negócios que terão, entre 1980 e 1988, gerado "luvas" de mais de 500 mil euros que terão ido parar aos bolsos dos ex-administradores Vítor Sousa, Cândida Serapicos e outro dirigente, todos do PS, os dois primeiros nomeados pelo histórico autarca, Mesquita Machado.

No caso dos autocarros, o esquema passaria pela Oficina Senhor dos Aflitos, de Abílio Costa, que pagava as comissões aos decisores, as quais eram descontadas na aquisição de viaturas à MAN-Portugal. Na aquisição de combustíveis a uma empresa de Braga e na venda de sucata terão sido pagas luvas. O representante da MAN terá, também, "oferecido" um automóvel a Vítor Sousa, embora este negue dizendo que o pagou com um cheque.

O processo conta com vários exemplares de cheques, pagos pela oficina a Vítor Sousa e a Cândida Serapicos, alguns mesmo com indicação do nome do beneficiário. Mas ambos os gestores negaram as suspeitas e garantiram aos investigadores que se tratava de empréstimos e troca de cheques.

Os detidos passaram a noite na cadeia e vão ser esta sexta-feira interrogados em tribunal, para aplicação de medidas de coação.