Operação Marquês

"Falta constituir arguidos 10 milhões de portugueses", diz defesa de Sócrates

"Falta constituir arguidos 10 milhões de portugueses", diz defesa de Sócrates

Os advogados de José Sócrates assinalaram, esta quarta-feira, os quatro anos do início do processo Marquês, com críticas ao Ministério Público, exigindo o arquivamento do inquérito.

"Quatro anos passados, em lugar de arquivar o inquérito, o Ministério Público ocupou-se em avolumá-lo com novas efabulações falsas e disparatadas que nem desmentido merecem, como as produzidas na semana passada", referem João Araújo e Pedro Delille, numa nota enviada à comunicação social.

Os defensores de José Sócrates, indiciado por crimes de corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais, apontam o "esgotamento do prazo legal máximo para a duração do inquérito, que o Tribunal da Relação de Lisboa e o Juiz de Instrução fixaram, aliás generosamente, em 19 de outubro de 2015", lembrando as "sete prorrogações" concedidas pela Procuradora-Geral da República ao Ministério Público.

"E transformando um processo criminal numa espécie de albergue espanhol, para onde arrastou, sem medida nem critério, mais de uma vintena de arguidos (hoje, quiçá para celebrar mais um aniversário, mandou saber que a operação marquês ganhou mais dois arguidos), sendo de crer que, na lógica desta investigação, ainda falta constituir arguidos cerca de 10 milhões de portugueses, que todos
são suspeitos", acrescenta o comunicado.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG