Ataque a Alcochete

Fernando Mendes diz-se apanhado de surpresa por ataque a jogadores

Fernando Mendes diz-se apanhado de surpresa por ataque a jogadores

Fernando Mendes, antigo líder da Juve Leo, diz ter sido apanhado de surpresa pelo ataque aos jogadores na Academia de Alcochete, em maio de 2018, e perante o apelo de Jorge Jesus, ferido, à porta do balneário, confortou-o e negou qualquer conhecimento sobre o ataque.

Aos juízes do Tribunal de Monsanto, o arguido disse, esta sexta-feira, ter combinado com Jorge Jesus no aeroporto da Madeira ir falar com ele e Acuña, jogador que o tinha insultado após o jogo do Marítimo, mas não pensava que cerca de 40 encapuzados o acompanhassem para agredir os jogadores. "Pedi boleia a Tiago Silva ainda no aeroporto, no domingo, porque tinha a carta apreendida e não mais falei com ele".

Fernando Mendes garantiu não ter falado com ninguém até terça-feira. Nesse dia, quando chegou ao parque de estacionamento do Lidl no Montijo, no carro de Tiago Silva, vê que estava lá uma carrinha da Juve Leo e o carro do Nuno Torres. "Não sabia o que estavam lá a fazer", declarou Fernando Mendes ao coletivo de juízes.

O ex-líder da Juve Leo diz que entrou na carrinha com outros elementos, entre os quais Nuno Torres, e pensou que eles também fossem para dar apoio aos jogadores. Chegados ao estacionamento de terra batida perto da Academia, Fernando Mendes disse que viu mais de dez carros. "Apercebo-me de pessoas a correr à minha frente, mas não liguei". "Vão a correr porquê? Podem fazer o que quiserem, mas têm que ser identificados à porta", contou aos juízes.

Fernando Mendes seguiu a passo até à Academia e, à entrada, procurou pelo segurança na guarita, mas já não estava ninguém. "Pensei que tinha havido autorização para entrar e que o segurança tinha acompanhado os que foram à frente". Seguiu em direção ao campo de treinos, onde esperava ver a equipa a treinar e depara-se com Jorge Jesus aflito à saída do balneário. "'Fernando ajuda-me, olha para isto' [disse]. Jorge Jesus apontou para um inchaço na cara e pergunto-me o que se passou, eu não sabia de nada". Fernando Mendes refere que o acalmou quando este pousou a cabeça no seu ombro esquerdo, "completamente nervoso".

Chegou entretanto William de Carvalho, que contou que tinha havido agressões a jogadores, mas Fernando Mendes garante que não sabia de nada. Mais tarde, chegou Bruno Jacinto e, de acordo com Fernando Mendes, ficaram à conversa, a tentar perceber o que se passou. "Perdi o Tiago Silva de vista e perguntei a Bruno Jacinto se podia levar Nuno Torres ao Lidl para ir buscar o carro, já que perdi a boleia".

Confusão no aeroporto da Madeira movida por álcool

Fernando Mendes diz que no final do jogo na Madeira, os jogadores vieram agradecer o apoio, mas todos os adeptos estavam "descontentes e inconsoláveis" perante a falha do acesso à Liga dos Campeões e mandaram os jogadores para trás. "O jogador Acuña esteve menos bem, faz-me um gesto que me indignou e como estava bêbado, fui ao aeroporto".

No aeroporto, Fernando Mendes disse a Jorge Jesus que Acuña teve uma atitude que não é digna de um jogador do Sporting. "Nesse momento, o Acuña viu que estava a fazer queixinhas e insultou-me, chamou-me hijo de puta. Como estava alcoolizado e tinha passado um mês do funeral da minha mãe, gerou-se ali um burburinho, uma confusão", reconheceu o ex-líder da Juve Leo.

"Jorge Jesus agarrou-me pelo braço e disse que estavam pessoas a filmar, para não fazer aquilo, então concordei e pedi a Jorge Jesus para que Acuña pedisse desculpa e disse-lhe que na terça-feira ia falar com ele a Alcochete, o que Jorge Jesus concordou, apenas para não alimentar o show off que estava a acontecer no aeroporto", justificou.

"Conversa de bêbado" com Bruno de Carvalho

Nessa noite, Fernando Mendes conversou com Bruno de Carvalho. "Não queria que ele soubesse por outros o que que tinha dito ao Jorge Jesus no aeroporto e o que o jogador Acuña me disse, queria que fosse eu a contar para não me deturparem as palavras". No segundo telefonema, Fernando Mendes não se recorda do que disse, mas considera ter sido "uma conversa de bêbado".

Questionado sobre se era comum ir à Academia e porquê ir na terça-feira, Fernando Mendes disse que não era comum, que queria falar com Acuña e só apontou para terça-feira porque na segunda-feira seria a folga dos jogadores.

Nessa terça-feira, diz ter ligado de manhã para Tiago Silva [por causa da boleia], que lhe disse que podia ir à tarde, mas nada informou sobre o que estava a ser combinado nas conversas de WhatsApp. Ao início da tarde, deslocaram-se à "casinha" [espaço cedido pelo clube à Juve Leo] para entregar as faixas que tinha levado ao jogo da Madeira e seguiram para Alvalade para informar Bruno Jacinto de que Fernando Mendes ia à Academia, conforme combinou com Jorge Jesus. "O intuito era a que segurança fosse informada de que eu ia lá". "O Tiago foi avisar o Bruno e depois arrancamos para Alcochete, apanhamos o Bruno Monteiro, mas não percebi porquê".

Outras Notícias